sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Juan Pedro Damiani demite-se da FIFA após ser citado nos Panama Papers

O uruguaio Juan Pedro Damiani, citado no escândalo dos "Papéis do Panamá", demitiu-se hoje do Comité de Ética da FIFA, segundo um comunicado do organismo que tutela o futebol mundial.

IVAN FRANCO

O dirigente estava já sob inquérito interno, iniciado na segunda-feira, logo após o seu nome aparecer referenciado em documentos relacionados com a 'offshore' Mossack Fonseca, do Panamá.

A nota da FIFA apenas refere a demissão de Damiani, conhecido como um 'cruzado' contra a corrupção no futebol sul-americano enquanto membro daquele comité, sendo também presidente do Peñarol, um dos mais prestigiados clubes do uruguai.

Juan Pedro Damiani, de 58 anos, já estava visado nos Estados Unidos, por estar ligado a negócios com um antigo vice-presidente da FIFA, acusado de corrupção pela justiça norte-americana.

Os "Papéis do Panamá" revelam que a sociedade de advogados de Damiani atuou como intermediária na constituição de uma empresa ligada a Eugenio Figueiredo, antigo líder da Confederação Sul-americana de Futebol (CONMEBOL), e a dois outros homens acusados no âmbito do escândalo de subornos na FIFA.

Segundo o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), que coordenou todo o noticiário conhecido como "Papéis do Panamá", Damiani tratou de processos de sete companhias relacionadas com Figueiredo e instaladas no referido 'paraíso fiscal'.

Os mesmos documentos mostram que a sua sociedade de advogados também serviu uma empresa no Nevada (Estados Unidos) ligada a dois outros suspeitos do caso FIFA, o empresário Hugo Jinkis e o seu filho Mariano, também eles sob a 'mira' da justiça norte-americana, pelo suposto pagamento de dezenas de milhões de dólares de suborno pela obtenção de direitos de televisão na América do Sul.

"Os registos não revelam conduta ilegal de Damiani ou da sua firma, mas levantam novas questões sobre o próprio e a FIFA", diz o ICIJ.

Lusa

  • Relações perigosas entre agentes secretos e Mossack Fonseca

    Panama Papers

    O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação divulgou este domingo o resultado de uma investigação que dá conta de um escândalo de corrupção à escala mundial. Os "Panama Papers" revelam nomes de mais de 100 políticos, incluindo vários líderes no ativo, e dezenas de figuras públicas que estão alegamente envolvidas. A pesquisa jornalítica, na qual participa também o semanário Expresso, tem vindo nos últimos dias a dar mais informações sobre as ligações perigosas entre a empresa Mossack Fonseca, do Panamá, e diversas personalidades e empresas. Funcionários da CIA e outros agentes secretos, nem todos com nomes reais, surgem também implicados neste caso.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.