sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Juan Pedro Damiani demite-se da FIFA após ser citado nos Panama Papers

O uruguaio Juan Pedro Damiani, citado no escândalo dos "Papéis do Panamá", demitiu-se hoje do Comité de Ética da FIFA, segundo um comunicado do organismo que tutela o futebol mundial.

IVAN FRANCO

O dirigente estava já sob inquérito interno, iniciado na segunda-feira, logo após o seu nome aparecer referenciado em documentos relacionados com a 'offshore' Mossack Fonseca, do Panamá.

A nota da FIFA apenas refere a demissão de Damiani, conhecido como um 'cruzado' contra a corrupção no futebol sul-americano enquanto membro daquele comité, sendo também presidente do Peñarol, um dos mais prestigiados clubes do uruguai.

Juan Pedro Damiani, de 58 anos, já estava visado nos Estados Unidos, por estar ligado a negócios com um antigo vice-presidente da FIFA, acusado de corrupção pela justiça norte-americana.

Os "Papéis do Panamá" revelam que a sociedade de advogados de Damiani atuou como intermediária na constituição de uma empresa ligada a Eugenio Figueiredo, antigo líder da Confederação Sul-americana de Futebol (CONMEBOL), e a dois outros homens acusados no âmbito do escândalo de subornos na FIFA.

Segundo o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), que coordenou todo o noticiário conhecido como "Papéis do Panamá", Damiani tratou de processos de sete companhias relacionadas com Figueiredo e instaladas no referido 'paraíso fiscal'.

Os mesmos documentos mostram que a sua sociedade de advogados também serviu uma empresa no Nevada (Estados Unidos) ligada a dois outros suspeitos do caso FIFA, o empresário Hugo Jinkis e o seu filho Mariano, também eles sob a 'mira' da justiça norte-americana, pelo suposto pagamento de dezenas de milhões de dólares de suborno pela obtenção de direitos de televisão na América do Sul.

"Os registos não revelam conduta ilegal de Damiani ou da sua firma, mas levantam novas questões sobre o próprio e a FIFA", diz o ICIJ.

Lusa

  • Relações perigosas entre agentes secretos e Mossack Fonseca

    Panama Papers

    O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação divulgou este domingo o resultado de uma investigação que dá conta de um escândalo de corrupção à escala mundial. Os "Panama Papers" revelam nomes de mais de 100 políticos, incluindo vários líderes no ativo, e dezenas de figuras públicas que estão alegamente envolvidas. A pesquisa jornalítica, na qual participa também o semanário Expresso, tem vindo nos últimos dias a dar mais informações sobre as ligações perigosas entre a empresa Mossack Fonseca, do Panamá, e diversas personalidades e empresas. Funcionários da CIA e outros agentes secretos, nem todos com nomes reais, surgem também implicados neste caso.

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.