sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Sociedade Leyne Strauss-Kahn ajudou a abrir contas offshore

A sociedade de fundos de investimento luxembuguesa LSK, ligada a Dominique Strauss-Kahn, criou 31 empresas em paraísos fiscais, revelou hoje o jornal francês Le Monde, no âmbito da investigação jornalística "Papéis do Panamá".

reuters

De acordo com o jornal, antes de ser presidida pelo ex-diretor-geral do FMI, a sociedade Leyne Strauss-Kahn & Partners ajudou clientes a abrir e a administrar empresas nas ilhas Seychelles, nas ilhas Virgens (Reino Unido), no Panamá e em Hong Kong, através de uma fillial denominada Assya Asset Management Luxembourg.

O esquema serviria para dissimular a identidade real dos beneficiários de fundos financeiros. Entre os clientes estão "particulares franceses ricos, produtores audiovisuais asiáticos e um importante grupo de planeamento parisiense".

O Le Monde sublinha que esta atividade "offshore" foi registada antes de Dominique Strauss-Kahn ter assumido a presidência daquela sociedade luxemburguesa, em outubro de 2013, e que aquele "não estava envolvido na gestão diária dos fundos".

Os "Papéis do Panamá" são o resultado de uma investigação jornalística do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, que reúne cerca de 11,5 milhões de documentos ligados à atividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património.

Os documentos apresentam informações sobre mais de 214 mil empresas 'offshore' e paraísos fiscais, envolvendo atuais e antigos líderes políticos e figuras públicas.

Um dos nomes referenciados na investigação é do primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur Gunnlaugsson, que na terça-feira já anunciou demissão do cargo.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC