sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Sociedade Leyne Strauss-Kahn ajudou a abrir contas offshore

A sociedade de fundos de investimento luxembuguesa LSK, ligada a Dominique Strauss-Kahn, criou 31 empresas em paraísos fiscais, revelou hoje o jornal francês Le Monde, no âmbito da investigação jornalística "Papéis do Panamá".

reuters

De acordo com o jornal, antes de ser presidida pelo ex-diretor-geral do FMI, a sociedade Leyne Strauss-Kahn & Partners ajudou clientes a abrir e a administrar empresas nas ilhas Seychelles, nas ilhas Virgens (Reino Unido), no Panamá e em Hong Kong, através de uma fillial denominada Assya Asset Management Luxembourg.

O esquema serviria para dissimular a identidade real dos beneficiários de fundos financeiros. Entre os clientes estão "particulares franceses ricos, produtores audiovisuais asiáticos e um importante grupo de planeamento parisiense".

O Le Monde sublinha que esta atividade "offshore" foi registada antes de Dominique Strauss-Kahn ter assumido a presidência daquela sociedade luxemburguesa, em outubro de 2013, e que aquele "não estava envolvido na gestão diária dos fundos".

Os "Papéis do Panamá" são o resultado de uma investigação jornalística do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, que reúne cerca de 11,5 milhões de documentos ligados à atividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património.

Os documentos apresentam informações sobre mais de 214 mil empresas 'offshore' e paraísos fiscais, envolvendo atuais e antigos líderes políticos e figuras públicas.

Um dos nomes referenciados na investigação é do primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur Gunnlaugsson, que na terça-feira já anunciou demissão do cargo.

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.