sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Parlamento da Islândia rejeita moção de censura contra o Governo

O parlamento da Islândia rejeitou esta sexta-feira por 38 votos contra 25, uma moção de censura contra o Governo de centro-direita, um dia depois do novo primeiro-ministro, Sigurdur Ingi Johannsson, tomar posse.

© Sigtryggur Johannsson / Reute

Sigurdur Ingi Johannsson assumiu a liderança do Governo islandês, depois da demissão do anterior chefe do Executivo sequência da queda de Sigmundur Gunnlaugsson devido ao escândalo Panama Papers.

O centrista Partido Progressista e o conservador Partido da Independência fizeram valer a sua clara maioria para chumbar a proposta, assim como outra para dissolver o parlamento e convocar eleições com a maior brevidade.

Ambos os partidos, no poder desde 2013, acordaram há dias renovar a sua coligação para as eleições, que se devem realizar no outono.

As votações ocorreram depois de um debate de mais de cinco horas, durante o qual a oposição acusou o Governo de não respeitar a população.

Segundo uma sondagem divulgada hoje pela imprensa islandesa, quase dois terços da população tem pouca ou muito pouca confiança no novo Governo.

O escândalo Panama Papers revelou que o antigo primeiro-ministro e a mulher possuíam uma sociedade nas Ilhas Virgens britânicas, onde depositaram quase quatro milhões de dólares.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".