sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

FMI diz que combate à evasão fiscal ainda não acabou

As revelações dos "Panama Papers" mostram que o combate à evasão fiscal não acabou e que é preciso ir mais longe na ofensiva da comunidade internacional, declarou hoje a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

Reuters

"É um trabalho inacabado e ainda há trabalho a fazer nesta frente", afirmou Lagarde, numa conferência de imprensa, garantindo que a ofensiva contra a evasão fiscal das multinacionais é insuficiente.

As declarações de Lagarde foram feitas na abertura da assembleia de primavera do FMI e do Banco Mundial, depois de Jim Yong Kim, presidente do BM, ter afirmado que as práticas de fuga aos impostos podem ter "um imenso efeito nefasto" na luta contra a pobreza.

Jim Yong Kim afirmou-se bastante "preocupado" com o escândalo dos "Panama Papers", que revelou uma vasta rede de evasão fiscal através de empresas de fachada em paraísos fiscais.

"É uma questão fundamental de confiança", acrescentou, com um aviso às empresas e particulares envolvidos na evasão fiscal: "a transparência não vai recuar, o mundo vai tornar-se cada vez mais transparente".

Com Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.