sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Expresso só revela nomes dos jornalistas envolvidos nos Panama Papers após conclusão da investigação

A direção do Expresso esclareceu hoje que os nomes dos jornalistas envolvidos numa investigação judicial relacionada com o designado "saco azul do GES" só serão revelados quando o trabalho de investigação estiver concluído, "mas nunca antes disso".

SIC

A nota editorial, assinada pelo diretor, Pedro Santos Guerreiro, e publicada hoje no site do Expresso, surge depois do Sindicato dos Jornalistas (SJ) ter pedido ao jornal para divulgar o nome dos jornalistas envolvidos naquela investigação.

"O trabalho do Expresso cruza duas investigações em curso: a investigação à ES Enterprises, mais antiga, e a investigação internacional Panama Papers, que trouxe novos dados", refere o Expresso, salientando que a notícia que motivou o email do SJ "resulta da investigação autónoma à ES Enterprises" e "não está enquadrada no consórcio internacional de jornalistas de investigação aos Panama Papers".

Aliás, "a lista de alegados pagamentos não está nos Panama Papers. Está no Ministério Público. E ela resulta de várias fontes, incluindo as autoridades suíças", refere o Expresso.

"O critério editorial do Expresso em relação à existência de jornalistas na lista foi, é e será rigorosamente o mesmo usado em relação a todas as profissões referidas. Retirar qualquer uma delas seria fazer uma diferença de classe. Assim escrevemos sobre a existência de mais de uma centena de nomes que constam nessa lista de várias páginas, que 'incluem várias pessoas influentes', 'políticos', 'pagamentos durante vários anos a gestores do BES e da Portugal Telecom', 'ex-gestores, autarcas, funcionários públicos, gestores, empresários e jornalistas'", adianta.

O diretor do Expresso salienta que "o critério foi, é e será sempre idêntico em relação à revelação de nomes".

Ou seja, "só quando o trabalho jornalístico de recolha de fontes, confirmação, contraditório e audição de partes atendíveis o permite publicamos nomes. De jornalistas ou de quaisquer outras pessoas. Tem sido esse o critério sempre nas investigações em causa: todos os nomes têm sido publicados logo que o trabalho de confirmação esteja concluído, mas nunca antes disso", salienta.

"Sabemos que o assunto é sensível e ele foi debatido e ponderado internamente. As pressões externas para publicação de nomes têm sido grandes, o que é compreensível tendo em conta a vontade de ser informado e sabendo que quem lê não conhece os pormenores da investigação, nem lhes podem ser revelados, por implicarem segredo, reserva e proteção de fontes", prossegue.

Pedro Santos Guerreiro refere que "informar com rigor não é publicar listas de nomes mesmo quando a existência dessa lista esteja confirmada, é analisá-los um a um e fugir à gratuitidade (e irresponsabilidade) de simplesmente arrolar nomes" e "o Expresso não deixa que os seus critérios editoriais sejam alterados por pressões".

"Como sempre fizemos até aqui, a informação será publicada no momento em que o trabalho de investigação estiver concluído, ainda que isso implique sujeitar-nos à análise crítica de alguns, que respeitamos, mas que não nos condiciona", remata.

O Expresso recorda que há ano e meio que está a investigar a ES Enterprises, a sociedade 'offshore' [paraíso fiscal] do Grupo Espírito Santo (GES), mais conhecida como "saco azul do GES" desde que o Público, em 2014, revelou a sua existência (a sociedade operou durante mais de 20 anos em segredo).

Na terça-feira, o SJ tinha instado a que fossem relevados os nomes dos jornalistas, "de forma a poder atuar em conformidade nos casos que, e se, vierem a ser provados" e pedia uma "clarificação, realçando que a credibilidade do jornalismo é fundamental em democracia".

Na edição de sábado, o jornal referiu que o Ministério Público tem em sua posse uma lista de nomes alegadamente envolvidos em pagamentos da ES Enterprises. Dessa lista constam nomes de jornalistas, segundo o Expresso.

As novas notícias sobre "o saco azul do BES" têm sido divulgadas pelo Expresso e pela TVI no âmbito da investigação conhecida como "Papeis do Panamá".

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.