sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Islândia antecipa eleições na sequência do escândalo Panama Papers

Sigmundur David Gunnlaugsson (na foto) foi obrigado a demitir-se em abril mas os restantes membros do Executivo mantiveram-se em funções.

© Scanpix Sweden / Reuters

O governo islandês anunciou a realização de eleições legislativas antecipadas em outubro na sequência dos escândalos revelados pelo Panama Papers (Papéis do Panamá) que já levaram à demissão do primeiro-ministro. No caso da Islândia, os Papéis do Panamá puseram a descoberto situações de evasão fiscal que implicam vários elementos da classe política de Reikjavik.

Sigmundur David Gunnlaugsson foi obrigado a demitir-se em abril mas os restantes membros do Executivo mantiveram-se em funções.

Na quinta-feira à noite, o primeiro-ministro em funções, Sigurdur Ingi Johannsson, pediu aos líderes dos partidos representados no parlamento para decidirem realizar eleições em outubro, antecipando seis meses as legislativas que já estavam agendadas.

"Pretendemos realizar eleições no dia 29 de outubro", afirmou Johannsson numa declaração difundida através do canal de televisão RUV.

A contestação - sem precedentes - verificada em abril nas ruas da capital do país, fortemente atingido pela crise financeira de 2008, não permite, no entanto, prever o resultado das eleições legislativas.

De acordo com as últimas sondagens, os eleitores conservadores mantêm o apoio à coligação de centro-direita, no poder.

Na oposição, o Partido Pirata, fundado em 2012, já comunicou que durante a campanha vai defender maior transparência, reformas institucionais e medidas contra a corrupção.

Em junho, as eleições presidenciais deram a vitória a Gudni Johannesson, um político pouco conhecido e que fez campanha contra o sistema, apelando a reformas profundas na Islândia.

Os Papéis do Panamá, mais de 11 milhões de documentos da sociedade de advogados Mossack Fonseca foram divulgados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação e revelam a utilização de paraísos fiscais que escondem os rendimentos de pessoas e empresas de todo mundo.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.