sicnot

Perfil

Papa Francisco em Fátima

Quase duas horas para queimar velas no Santuário de Fátima

Luis Barra

Mais de uma hora e meia de espera é quanto os fiéis aguardam esta sexta-feira para queimar as velas no tocheiro, em Fátima, uma demora que não demove estes crentes que desta forma paciente acreditam demonstrar a sua fé.

À saída de uma longa fila com várias centenas de pessoas, Rosa Rodrigues, 72 anos, era uma fiel feliz, por ter cumprido "o seu dever".

"Esperei mais de uma hora na fila e foi a vez que mais tempo levei a queimar as minhas velas", disse esta crente que todos os anos visita Fátima no dia 12 de maio e que viajou numa excursão.

Este ano, reconhece, a visita tem um sabor especial, uma vez que conta com a presença do papa Francisco, de quem gosta muito.Márcia e Carmen viajaram de Braga para ver o papa e até ao momento em que foram queimar as velas ainda não tinham apanhado filas significativas.

"Chegámos nas calmas e nem apanhámos filas. Estacionámos calmamente e dormimos no carro sem problemas", disse Carmen.

À saída do tocheiro, depois de queimarem 16 velas, as amigas estavam visivelmente emocionadas e disseram à agência Lusa que, além das suas entregas, levaram "encomendas" de amigos."Sabiam que vínhamos a Fátima e pediram-nos para queimar umas velas.

Não custa nada, pois sei que fariam o mesmo por mim", disse à Márcia.

Sobre o tempo de espera, ficaram surpreendidas, mas dizem que ainda têm tempo, principalmente para ver o papa Francisco, um dos principais objetivos desta visita a Fátima.

Com alguns minutos ainda de espera, Olímpia Gomes mal podia esperar por queimar as 12 velas que levava ao tocheiro.

Este seu gesto é "uma promessa", mas também um pedido, não só por si e pela sua família, mas também "pelo mundo e pela paz".

Já contava com mais de uma hora de espera e, de facto, nas anteriores visitas ao Santuário de Fátima nunca se deparou com uma demora tão longa.

Olímpia Gomes está especialmente entusiasmada com a presença do papa Francisco e por isso esta estadia vai prolongar-se até ao momento em que este estiver em Fátima.

"Amo o papa Francisco", disse, visivelmente emocionada com o evento, mas também com a aproximação do fim da fila.

A aglomeração de pessoas começava às 11h30 a ser cada vez mais visível no Santuário de Fátima, como junto à admissão de doentes que terão um acesso privilegiado no recinto e que irão receber a bênção do papa.

Dezenas de doentes, a maioria em cadeiras de rodas, aguardavam pela admissão que consiste na certificação do doente que foi previamente inscrito para o efeito.

Entre eles, uma ensonada Fátima Costa, 63 anos, aguardava pela sua vez, acompanhada da afilhada, Luísa.

Uma operação mal sucedida encaminhou-a para uma cadeira de rodas, mas a falta de mobilidade nunca a levou a perder a fé: "Acredito neste papa e nos santos que, para mim, há muito que fazem milagres", disse à Lusa.

A única crítica vai para as condições meteorológicas: "A chuvinha faz muita falta, mas podia ser a partir de domingo, pois é muito triste estas pessoas virem até aqui e não poderem ver o papa por causa da chuva", disse.

Outro local atualmente com muita procura é o local dos túmulos dos pastorinhos na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, onde dezenas de fiéis passam por minuto e demonstram a sua fé, com ramos de flores ou beijos nas pedras dos túmulos.

À medida que se aproxima a hora da chegada do papa Francisco, aumentam as filas para a compra de velas nos vários estabelecimentos comerciais no recinto, bem como recordações, onde sobressaem aquelas que têm as imagens dos três pastorinhos, que serão no sábado canonizados pelo papa Francisco.

Lusa

  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC