sicnot

Perfil

Ataque ao Charlie Hebdo

Ataque ao Charlie Hebdo

Ataque ao Charlie Hebdo

Charlie Hebdo vai lançar edição especial um ano após ataque

O jornal satírico francês Charlie Hebdo anunciou, esta quarta-feira, que vai lançar uma edição especial para assinalar o primeiro aniversário do atentado, que fez 12 mortos.

O Charlie Hebdo afirmou ter já recebido muitas encomendas do número especial do estrangeiro, incluindo 50 mil da Alemanha.

O Charlie Hebdo afirmou ter já recebido muitas encomendas do número especial do estrangeiro, incluindo 50 mil da Alemanha.

© Carlo Allegri / Reuters

A edição especial, composta por 32 páginas -- com uma seleção de caricaturas de cartoonistas que morreram no ataque e dos que integram atualmente a redação, e mensagens de apoio -- vai ser publicada na próxima quarta-feira, dia 06 de janeiro, prevendo-se que estejam nas bancas, na véspera do primeiro aniversário do atentado, quase um milhão de exemplares.

A 07 de janeiro de 2015, dois homens armados atacaram os escritórios do Charlie Hebdo, em Paris, provocando 12 mortos, num incidente que ocorreu depois de o jornal publicar um número especial sobre as primeiras eleições na Tunísia após a destituição do presidente Zine el Abidine Ben Ali, ganhas pelo partido islamita Ennahda, no qual o profeta Maomé era o "redator principal".

Uma semana depois do atentado, o Charlie Hebdo lançou uma edição preparada pelos sobreviventes do ataque terrorista, a qual vendeu o recorde de 7,5 milhões de cópias e impulsionou a circulação do semanário.

O Charlie Hebdo afirmou ter já recebido muitas encomendas do número especial do estrangeiro, incluindo 50 mil da Alemanha.

Atualmente, vende cerca de 10 mil cópias internacionalmente e aproximadamente 100 mil nos quiosques franceses, a somar a cerca de 183.000 assinaturas.

A publicação de um número especial ocorre numa altura de crescentes receios quanto a eventuais ataques terroristas na Europa, depois de 'jihadistas' ligados ao movimento extremista Estado Islâmico (EI) terem matado 130 pessoas, em Paris, em meados de novembro, em atentados coordenados.

Bruxelas cancelou, esta quarta-feira, as festas previstas para a passagem de ano precisamente devido ao receio de um eventual atentado na cidade belga de 1,2 milhões de habitantes, que acolhe a sede da União Europeia e da NATO.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.