sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Marcelo espera que Portugal tenha orçamento antes de março de 2016

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa disse hoje, em Paris, que não se pode esperar "meses e meses" para ter o orçamento para 2016 e espera que Portugal tenha orçamento antes da tomada de posse do novo presidente.

EDUARDO COSTA

"Nós não podemos esperar meses e meses e meses para ter o orçamento para 2016. Espero que o Orçamento do Estado esteja aprovado e tenha entrado em vigor no momento da posse do novo Presidente que é no dia 09 de março. O país deve contar com um orçamento antes de março de 2016 e mesmo assim estamos a falar de três meses praticamente sem orçamento", declarou o candidato presidencial.

Questionado sobre se Cavaco Silva deve usar o poder de vetar leis no final deste mandato, Marcelo Rebelo de Sousa disse ter "a certeza que neste espaço de tempo que resta até ao fim do mandato do senhor Presidente da República não haverá nenhuma medida que seja necessária, para bem de Portugal para a saída da crise, que levante problemas no relacionamento entre o Governo, o parlamento e o Presidente".

"Acho que se virou uma página. Os portugueses desejam que o governo governe, apresente rapidamente o orçamento, comece a tomar medidas (...). E espero também que daqui por poucas semanas seja eleito o novo Presidente da República. Isto é, o que é preciso é que medidas importantes para que Portugal saia da crise - medidas económicas, financeiras, sociais - sejam adotadas pelo parlamento e pelo Governo. Isso é mais importante do que propriamente uma questão de conflito institucional", declarou.

O candidato a Belém não confirmou se o ex-líder da JSD Pedro Duarte vai ser o seu diretor de campanha, como avançou hoje o Diário de Notícias.

Marcelo Rebelo de Sousa está este fim de semana em Paris, onde prestou, no final da manhã, homenagem às vítimas dos atentados de 13 de novembro, tendo colocado uma coroa de flores em frente ao Bataclan, rodeado de vários empresários da comunidade portuguesa em França, do novo cônsul de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz, e do deputado PSD eleito pela emigração Carlos Gonçalves.

Esta noite, o candidato presidencial participa no jantar de aniversário da empresa Lusopress, um evento em que Jorge Palma vai cantar e em que vai ser lançado o livro "Dez Nomes, Dez Histórias" sobre histórias de sucesso de emigrantes portugueses. Este domingo, Marcelo Rebelo de Sousa assiste a uma missa, em português, no Santuário de Nossa Senhora de Fátima Maria Medianeira.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.