sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Marcelo espera que Portugal tenha orçamento antes de março de 2016

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa disse hoje, em Paris, que não se pode esperar "meses e meses" para ter o orçamento para 2016 e espera que Portugal tenha orçamento antes da tomada de posse do novo presidente.

EDUARDO COSTA

"Nós não podemos esperar meses e meses e meses para ter o orçamento para 2016. Espero que o Orçamento do Estado esteja aprovado e tenha entrado em vigor no momento da posse do novo Presidente que é no dia 09 de março. O país deve contar com um orçamento antes de março de 2016 e mesmo assim estamos a falar de três meses praticamente sem orçamento", declarou o candidato presidencial.

Questionado sobre se Cavaco Silva deve usar o poder de vetar leis no final deste mandato, Marcelo Rebelo de Sousa disse ter "a certeza que neste espaço de tempo que resta até ao fim do mandato do senhor Presidente da República não haverá nenhuma medida que seja necessária, para bem de Portugal para a saída da crise, que levante problemas no relacionamento entre o Governo, o parlamento e o Presidente".

"Acho que se virou uma página. Os portugueses desejam que o governo governe, apresente rapidamente o orçamento, comece a tomar medidas (...). E espero também que daqui por poucas semanas seja eleito o novo Presidente da República. Isto é, o que é preciso é que medidas importantes para que Portugal saia da crise - medidas económicas, financeiras, sociais - sejam adotadas pelo parlamento e pelo Governo. Isso é mais importante do que propriamente uma questão de conflito institucional", declarou.

O candidato a Belém não confirmou se o ex-líder da JSD Pedro Duarte vai ser o seu diretor de campanha, como avançou hoje o Diário de Notícias.

Marcelo Rebelo de Sousa está este fim de semana em Paris, onde prestou, no final da manhã, homenagem às vítimas dos atentados de 13 de novembro, tendo colocado uma coroa de flores em frente ao Bataclan, rodeado de vários empresários da comunidade portuguesa em França, do novo cônsul de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz, e do deputado PSD eleito pela emigração Carlos Gonçalves.

Esta noite, o candidato presidencial participa no jantar de aniversário da empresa Lusopress, um evento em que Jorge Palma vai cantar e em que vai ser lançado o livro "Dez Nomes, Dez Histórias" sobre histórias de sucesso de emigrantes portugueses. Este domingo, Marcelo Rebelo de Sousa assiste a uma missa, em português, no Santuário de Nossa Senhora de Fátima Maria Medianeira.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.