sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Jardim quer Marcelo em Belém para "reequilibrar o país ao centro"

O ex-presidente do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, afirmou hoje que a eleição de Marcelo Rebelo de Sousa "poderá reequilibrar o país ao centro", porque o candidato "nada tem a ver com o neoliberalismo errado" de Passos Coelho.

(arquivo)

(arquivo)

JOAO HOMEM GOUVEIA

"Penso que a eleição do professor Rebelo de Sousa, como é tradição em Portugal, poderá reequilibrar o país ao centro", disse Jardim durante uma visita ao museu CR7, na Madeira, que contém o espólio do futebolista Cristiano Ronaldo.

O ex-líder madeirense, que acompanhou o antigo presidente do PSD nesta ação de campanha no Funchal, acrescentou que "gostava que Marcelo ganhasse à primeira volta, porque à segunda é mais difícil".

"Eu apoio o professor Marcelo Rebelo de Sousa, mas tenho uma discordância com ele", adiantou, apontando que o candidato é "pró situação constitucional", da qual discorda.

Para Jardim, "não apareceu um único candidato antirregime nestas eleições", considerando, por isso, "que a democracia ficou incompleta".

Instado a comentar se tinha pena de não ter avançado com uma candidatura a estas eleições presidenciais, respondeu: "Eu não sou um Dom Quixote, e, portanto, ou se tem meios ou não se tem", acrescentando não ter "pena nenhuma" de não ter avançado.

"Nestas coisas, ou se vai quase pela certa, ou então não se vai, mas não se anda a brincar aos dons Quixotes nestas coisas", referiu.

Questionado sobre se preferia o apelido Sousa ao Silva em Belém, Jardim destacou que sempre teve um bom relacionamento com o atual Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

"Dei-me muito bem com o professor Cavaco Silva", atestou, admitindo que em política existem sempre "rixas" e reconheceu que lhe "deve muito, quer como primeiro-ministro, quer como Presidente da República".

"Quando o PSD Lisboa continuou com o torniquete que me tinha feito o Governo de Sócrates, o professor Cavaco é que me deitou a mão e, inclusivamente, conseguiu desenrascar a zona franca, em Bruxelas".

Lusa

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.