sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Jardim quer Marcelo em Belém para "reequilibrar o país ao centro"

O ex-presidente do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, afirmou hoje que a eleição de Marcelo Rebelo de Sousa "poderá reequilibrar o país ao centro", porque o candidato "nada tem a ver com o neoliberalismo errado" de Passos Coelho.

(arquivo)

(arquivo)

JOAO HOMEM GOUVEIA

"Penso que a eleição do professor Rebelo de Sousa, como é tradição em Portugal, poderá reequilibrar o país ao centro", disse Jardim durante uma visita ao museu CR7, na Madeira, que contém o espólio do futebolista Cristiano Ronaldo.

O ex-líder madeirense, que acompanhou o antigo presidente do PSD nesta ação de campanha no Funchal, acrescentou que "gostava que Marcelo ganhasse à primeira volta, porque à segunda é mais difícil".

"Eu apoio o professor Marcelo Rebelo de Sousa, mas tenho uma discordância com ele", adiantou, apontando que o candidato é "pró situação constitucional", da qual discorda.

Para Jardim, "não apareceu um único candidato antirregime nestas eleições", considerando, por isso, "que a democracia ficou incompleta".

Instado a comentar se tinha pena de não ter avançado com uma candidatura a estas eleições presidenciais, respondeu: "Eu não sou um Dom Quixote, e, portanto, ou se tem meios ou não se tem", acrescentando não ter "pena nenhuma" de não ter avançado.

"Nestas coisas, ou se vai quase pela certa, ou então não se vai, mas não se anda a brincar aos dons Quixotes nestas coisas", referiu.

Questionado sobre se preferia o apelido Sousa ao Silva em Belém, Jardim destacou que sempre teve um bom relacionamento com o atual Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

"Dei-me muito bem com o professor Cavaco Silva", atestou, admitindo que em política existem sempre "rixas" e reconheceu que lhe "deve muito, quer como primeiro-ministro, quer como Presidente da República".

"Quando o PSD Lisboa continuou com o torniquete que me tinha feito o Governo de Sócrates, o professor Cavaco é que me deitou a mão e, inclusivamente, conseguiu desenrascar a zona franca, em Bruxelas".

Lusa

  • Um homem de 83 anos é a 42.ª vítima dos incêndios
    1:27

    País

    Subiu para 42 o número de vítimas mortais nos incêndios deste domingo. Um homem de 83 anos foi encontrado sem vida em Lugar de Covelo, em Vouzela. O número de feridos mantém-se, 14 estão em estado grave. A maior parte das mortes aconteceu no distrito de Coimbra (20) e Viseu (19). Segundo a Proteção Civil, já não há desaparecidos. Sete pessoas estavam dadas como desaparecidas e apenas uma foi encontrada sem vida. Um bebé de poucos meses tinha sido dado como morto, mas foi encontrado com vida.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08