sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Mais de metade das candidaturas presidenciais já se queixou à CNE

Mais de metade das candidaturas à Presidência da República apresentou queixa na Comissão Nacional de Eleições, que já recebeu 11 reclamações, desde impedimento para distribuir propaganda até à utilização do nome de um candidato para apoiar outra candidatura.

De acordo com João Almeida, as queixas foram apresentadas por seis candidaturas - Henrique Neto, Paulo de Morais, Marisa Matias (na imagem), Cândido Ferreira, Edgar Silva e Sampaio da Nóvoa.

De acordo com João Almeida, as queixas foram apresentadas por seis candidaturas - Henrique Neto, Paulo de Morais, Marisa Matias (na imagem), Cândido Ferreira, Edgar Silva e Sampaio da Nóvoa.

MANUEL DE ALMEIDA / Lusa

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz da Comissão Nacional de Eleições (CNE) adiantou que o número de queixas recebidas é, até agora, menor do que as recebidas em 2010, havendo, para já, 11 queixas apresentadas pelos atuais candidatos ou respetivas candidaturas.

De acordo com João Almeida, as queixas foram apresentadas por seis candidaturas - Henrique Neto, Paulo de Morais, Marisa Matias, Cândido Ferreira, Edgar Silva e Sampaio da Nóvoa.

A candidatura de Henrique Neto foi aquela que apresentou mais queixas, tendo em conta que "algumas foram apresentadas quando a Comissão não tinha ainda competência e poderes efetivos de intervenção", já que a CNE só pode agir sobre todos os órgãos e agentes da administração pública depois de marcada a data das eleições.

Segundo o responsável, num primeiro momento, "a candidatura de Henrique Neto foi importunada várias vezes com autoridades de vário tipo a tentar impedir a recolha de assinaturas".

Mais recentemente, Henrique Neto apresentou queixa por causa de um incidente ocorrido numa estação do metropolitano, em Lisboa, onde terá sido impedido de distribuir propaganda.

Como consequência, a CNE notificou o Metropolitano para contestar, mas avisando a empresa de que deve instruir os seus funcionários ou contratados de que a propaganda é livre e não pode impedir ninguém de a fazer.

Também Paulo de Morais apresentou queixa junto da CNE por ter tido dificuldades na distribuição de propaganda.

Já a candidatura de Edgar Silva queixou-se por causa de um incidente em Viana do Castelo, que envolve uma empresa de publicidade comercial e uma candidatura adversária.

De acordo com João Almeida, que frisou que ainda não foi apurado o que realmente se terá passado, a empresa "passeava cartazes" que, por um lado, apoiavam uma das candidaturas e, por outro, "colocava o nome de Edgar Silva como se fosse apoiante daquela que tinha a propaganda".

No meio do imbróglio, está a candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa como a candidatura que, alegadamente, usaria o nome de Edgar Silva, mas João Almeida adiantou que ainda não foi possível apurar se tem ou não alguma responsabilidade no sucedido.

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda, Marisa Matias também se queixou junto da CNE, no caso por causa da "possibilidade de coincidência de duas ações de rua de duas candidaturas", situação que já está a "ser resolvida por consenso".

Já Cândido Ferreira dirigiu-se à CNE para se queixar do tratamento diferenciado da comunicação social na cobertura da campanha eleitoral, criticando aquilo que chamou de critérios "desigualitários e antidemocráticos".

Por último, Sampaio da Nóvoa reclamou por causa da eventual composição de umas mesas de voto, por ter entendido que não estava assegurada a pluralidade necessária.

Além das queixas apresentadas pelos candidatos ou respetivas candidaturas, a CNE recebeu também "centenas" de pedidos de esclarecimento por parte de cidadãos com dúvidas que vão desde a votação antecipada, até à forma como se devem posicionar as mesas de voto ou sobre "que posição podem assumir os delegados das candidaturas junto das mesas de voto".

Houve ainda queixas de cidadãos contra a candidatura de Maria de Belém "por fazer propaganda com recurso a publicidade comercial".

Lusa

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.