sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Cavaco deu as boas-vindas no Palácio de Belém ao Presidente eleito

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, deu hoje as boas-vindas ao Presidente eleito, Marcelo Rebelo de Sousa, no início de uma audiência no Palácio de Belém.

ANT\303\223NIO COTRIM

Às 12:30 em ponto, Cavaco Silva e Marcelo Rebelo de Sousa entraram na sala dos embaixadores por portas opostas, atravessando até ao meio, onde deram o primeiro aperto de mão.

"Senhor Presidente eleito, bem-vindo a esta casa que em breve será sua", disse Cavaco Silva dirigindo-se a Marcelo Rebelo de Sousa.

Depois, o chefe de Estado e o Presidente eleito colocaram-se lado a lado de frente para as dezenas de fotógrafos e operadores de câmara presentes na sala, numa "ditadura dos fotógrafos", conforme gracejou Cavaco Silva.

"Os fotógrafos são como Deus, estão em todo lado", respondeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Depois da fotografia da 'praxe', visivelmente bem-dispostos, Cavaco Silva e Marcelo Rebelo de Sousa dirigiram-se para o gabinete do Presidente da República, ao lado da sala dos embaixadores.

O encontro, segundo disse quarta-feira Marcelo Rebelo de Sousa, "faz parte da lógica das transições" para o Presidente cessante passar as pastas ao seguinte.

"Faz parte da lógica das transições o Presidente cessante passar - digamos assim - pastas ao Presidente seguinte e, por outro lado e desde já também, ficar a saber onde é que vou funcionar durante as próximas semanas", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, que ainda formou equipa e que vai "ouvir o que é que o senhor Presidente tem a dizer".

Marcelo Rebelo de Sousa foi no domingo eleito Presidente da República com 52% dos votos, uma percentagem acima dos 50,5% conseguidos na primeira eleição pelo seu antecessor, Cavaco Silva, em 2006.

O ex-líder do PSD e comentador político tornou-se no quinto Presidente da República portuguesa desde o 25 de Abril de 1974, numas eleições em que se registou uma abstenção de 51%.

Segundo os dados do Ministério de Administração Interna, Marcelo obteve 52%, seguindo-se Sampaio da Nóvoa (22,89%), independente apoiado por personalidades do PS, Marisa Matias (10,13%), apoiada pelo BE, Maria de Belém (4,24%), militante do PS, Edgar Silva (3,95%), apoiado pelo PCP, Vitorino Silva (3,28%), Paulo de Morais (2,15%), Henrique Neto (0,84%), Jorge Sequeira (0,3%) e Cândido Ferreira (0,23%).

Marcelo Rebelo de Sousa tomará posse como Presidente da República a 09 de março.

Nos termos da Constituição, o Presidente eleito toma posse perante a Assembleia da República no último dia do mandato do Presidente cessante.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.