sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Sampaio da Nóvoa foi o candidato com despesas mais elevadas nas Presidenciais

Sampaio da Nóvoa foi o candidato presidencial que mais gastou na campanha eleitoral, 924 mil euros, enquanto Marcelo Rebelo de Sousa declarou despesas de 179 mil euros, segundo as contas entregues no Tribunal Constitucional (TC).

TIAGO PETINGA

De acordo com os documentos disponibilizados esta quata-feira no site do TC, - o prazo de entrega das contas das presidenciais terminou segunda-feira - a candidata Maria de Belém Roseira declarou um total de despesas de 541.146 euros e um saldo negativo de 447.628 euros.

Apenas três candidatos tiveram direito à subvenção estatal por terem obtido mais de 5 % dos votos: Marcelo Rebelo de Sousa reclamou do Estado 165.488 euros, Sampaio da Nóvoa 896.928 euros e Marisa Matias 290.215 euros, totalizando 1.352.631 euros em subvenções estatais.

O montante legalmente disponível para comparticipação das despesas de campanha era de 3,4 milhões de euros. No entanto, a subvenção nunca pode ser superior ao valor das despesas realizadas.

Dos dez candidatos presidenciais, apenas quatro declararam despesas inferiores às do candidato vencedor: Paulo de Morais com 59.539 euros, Cândido Ferreira declarou despesas de 28.707 euros, Vitorino Silva de 8.171 euros e Jorge Sequeira, o que gastou menos, 5.941 euros.

Marcelo Rebelo de Sousa, que tinha estimado gastar 157 mil euros, apresentou despesas de 179.408 euros, dos quais 114.376 para a conceção da campanha, agências de comunicação e estudos de mercado.

Quanto às receitas, Marcelo Rebelo de Sousa declarou 224.408 euros, dos quais 165.488 euros provenientes da subvenção estatal, 45 mil euros em donativos, mais 1.920 euros de cedência de bens a título de empréstimo e 12 mil euros de donativos em espécie.

Sampaio da Nóvoa, que ficou em segundo lugar, foi o candidato que declarou as despesas mais elevadas, no total de 924.493 euros. O candidato terminou a campanha com um saldo positivo de 83 mil euros, conseguindo receitas de mais de um milhão de euros.

Do total de 1.088.320 euros de receitas, 896.928,92 euros são provenientes da subvenção estatal, a que se somam 84.311 euros em donativos, 26.760 euros de cedência de bens a título de empréstimo e donativos em espécie de 320 euros.

O candidato apoiado pelo PCP, Edgar Silva, declarou despesas de campanha de 581.114 euros, pagos por uma contribuição do PCP de 560.071 euros e por 21 mil euros em angariação de fundos.

Maria de Belém gastou 541.146 euros na campanha eleitoral. Sem direito a subvenção estatal e sem contribuição de partidos políticos, as receitas limitaram-se a 93.530 euros, dos quais 89 mil em angariação de fundos, resultando um saldo final negativo de 447.350 euros.

Henrique Neto apresentou despesas de 248.771 euros, ficando com um saldo final negativo de 180 mil euros, e Paulo de Morais de 59.539 euros, também com um prejuízo, de 35.648 euros.

As contas vão ser analisadas pela Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, que apresentará um relatório de auditoria, para serem julgadas posteriormente pelos juízes do Tribunal Constitucional.

As presidenciais de 2011 foram as primeiras em que foram aplicadas sanções aos candidatos e aos mandatários pelas ilegalidades e irregularidades detetadas.

Lusa

  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares