sicnot

Perfil

Rio 2016

600 trabalhadores chamados de urgência para concluir alojamentos na aldeia Olímpica

O Comité Rio 2016 destacou 600 novos trabalhadores para a Aldeia Olímpica, na sequência de queixas de várias delegações olímpicas relativamente às condições do alojamento oferecido pela organização dos Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro.

Segundo o jornal brasileiro Estado de São Paulo, o Comité Rio2016 espera que a "força tarefa", como chamou ao grupo, trabalhe para "deixar tudo pronto entre quinta e sexta-feira".

Divididas por três turnos, as equipas integram canalizadores, eletricistas e trabalhadores da área da limpeza para resolver precisamente os três problemas apontados no domingo pela delegação australiana, que se recusou a ocupar o seu edifício na Vila dos Atletas, considerando-o "inabitável".

Problemas nos alojamentos têm sido identificados por várias delegações, incluindo a portuguesa.

José Garcia, chefe da missão portuguesa, contou ao jornal Expresso que, de acordo com a sua adjunta, que chegou ao local a 20 de julho, "nem todos os apartamentos tinham água e havia muita sujidade".

Algumas delegações, como a italiana e a neozelandesa, decidiram contratar diretamente profissionais para concluir os apartamentos com urgência.

O presidente do Comité Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, disse no domingo que o importante é que os reparos sejam feitos antes que os Jogos Olímpicos comecem.

"São ajustes que já estamos a fazer e serão resolvidos em pouco tempo. Toda a Aldeia Olímpica, pela sua magnitude, precisa de alguns retoques até que fique perfeita. O importante é que tudo será feito antes do início dos jogos, sem trazer nenhum transtorno aos atletas", disse, na abertura da aldeia.

São esperados mais de 10 mil atletas de 206 países nos primeiros Jogos Olímpicos da América do Sul, que decorrem de 05 a 21 de agosto na cidade carioca.

Lusa

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.