sicnot

Perfil

Rio 2016

Atleta russa Yelena Isinbayeva recorre para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos

Lusa

MAXIM SHIPENKOV

A russa Yelena Isibayeva, dupla campeã olímpica de salto com vara, vai recorrer para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos da decisão de afastar a Rússia do atletismo nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

"Depois do ocorrido, Lena recorrerá para o Tribunal de Direitos Humanos de Estrasburgo, porque para ela e toda a equipa a decisão não se ajusta ao direito", disse o treinador da saltadora, Yevgueni Trofímov, en declarações à agência R-sport.

No domingo, o Comité Olímpico Internacional (COI) ratificou a decisão da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), de afastar a seleção russa devido a um escândalo de doping, com o apoio estatal.

O treinador revelou ainda que o que mais surpreendeu Isibayeva foi a reação das autoridades russas à decisão do COI de delegar às federações internacionais a responsabilidade de autorizar ou negar a participação dos desportistas russos nos Jogos do Rio.

"Encolheram os ombros e foi tudo", disse.

Na quinta-feira, o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) rejeitou o recurso dos atletas russos à suspensão imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), confirmando a ausência dos Jogos Olímpicos Rio 2016, decisão ratificada pelo COI.

"O painel do TAS confirmou a validade da decisão da IAAF de aplicar as regras (...), segundo as quais os atletas de uma federação que esteja suspensa pela IAAF são inelegíveis para competições organizados sob as regras da IAAF", lê-se num comunicado.

A federação russa e 68 atletas tinham recorrido da decisão da IAAF de suspender o atletismo russo de todas as provas, incluindo os Jogos Olímpicos, na sequência de um relatório independente da Agência Mundial Antidopagem (AMA), que revelou um sistema de dopagem apoiado pelo governo.


Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite