sicnot

Perfil

Rio 2016

COI e Comité Organizador recorrem de decisão que permite manifestações políticas

© Carlos Barria / Reuters

O Comité Olímpico Internacional (COI) e o Comité Organizador do Rio 2016 recorreram de uma decisão judicial tomada na segunda-feira que permite ao público protagonizar manifestações políticas nas competições.

O recurso foi encaminhado a um juiz federal que deferiu uma providência cautelar determinando que o Governo Federal, o Estado do Rio de Janeiro e o Comité Organizador do Rio 2016 se abstivessem de proibir manifestações pacíficas de cunho político em locais oficiais de provas dos Jogos Olímpicos.

"Recebemos a liminar (providência cautelar) e pedimos que o juiz reveja o caso. Vamos respeitar a liminar enquanto estiver em vigor", disse Mário Andrada, diretor de comunicação do COI.

Ele afirmou, porém, que os locais das provas não são locais de manifestações políticas ou religiosas e que as regras dos Jogos Olímpicos são iguais as aplicadas no Mundial de Futebol, onde este tipo de manifestação também é proibida.

Dois casos de agentes de segurança coibindo torcedores carregando cartazes ou fazendo manifestações de cunho político nas áreas de competições foram registados e divulgados nas redes socais no passado fim de semana.

No primeiro deles um grupo vestindo camisetas que lado a lado formavam a frase "Fora Temer" foi abordado no estádio do Mineirão, em Minas Gerais, num jogo de futebol feminino.

No segundo, um homem que assistia a prova de tiro com arco foi retirado da arquibancada por homens da Força Nacional.

Ele também carregava um cartaz de protesto contra o Presidente da República interino Michel Temer.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.