sicnot

Perfil

Rio 2016

Dia de esperança de medalhas para Portugal

© Phil Noble / Reuters

Nos Jogos do Rio de Janeiro, o dia de hoje é de esperança de medalhas para Portugal. Nelson Évora está na final do triplo salto com a quarta melhor marca e vai lutar pelo pódio. Fernando Pimenta apurou-se de forma categórica para a final de K1 1000 metros e tem ambições para a medalha de ouro.

Programa dos atletas portugueses nos Jogos Olímpicos para esta terça-feira, 16 de agosto:

9:40 (13:40) - Francisca Laia Canoagem K1 200 (final B)
9:45 (13:45) - Maria Leonor Tavares Atletismo Salto com vara (qualificação)
9:45 (13:45) - Marta Onofre Atletismo Salto com vara (qualificação)
9:50 (13:50) - Nelson Évora Atletismo Triplo salto (final)
10:00 (14:00) - Luciana Diniz Equestre Saltos de obstáculos (qualificação)
10:12 (14:12) - Fernando Pimenta Canoagem K1 1000 (final A)
13:00 (17:00) - Jorge Lima e José Costa Vela 49er (4.º Dia)

a) Caso se qualifique.

No que se perspetiva como o grande dia de Portugal no Rio de Janeiro, Fernando Pimenta e Nelson Évora procuram as segundas medalhas da carreira, depois da prata do canoísta em Londres2012, em K2 1.000 metros, ao lado de Emanuel Silva, e do título olímpico do saltador em Pequim2008.

© Murad Sezer / Reuters

Caso voltem a conquistar um pódio, Évora e Pimenta entram no restrito lote de atletas com dois 'metais', juntando-se aos fundistas Carlos Lopes (ouro em 1984 e prata em 76), Rosa Mota (ouro em 1988 e bronze em 84) e Fernanda Ribeiro (ouro em 1996 e bronze 2000) e a Luis Mena e Silva, do equestre (bronzes em 1936 e 48).

Quanto a Portugal, igualaria o seu recorde de três medalhas numa edição, conseguidas em 1984, todas no atletismo (Carlos Lopes, Rosa Mota e António Leitão), e 2004, pelos atletas Francis Obikwelu e Rui Silva e o ciclista Sérgio Paulinho.

No caso de chegar ao título, Nelson Évora tornar-se-ia o primeiro bicampeão olímpico de Portugal, 'deixando para trás' Carlos Lopes, Rosa Mota e Fernanda Ribeiro, enquanto Fernando Pimenta seria o primeiro sem ser do atletismo a chegar ao ouro.

Na segunda-feira, o 'capitão' da equipa de atletismo do Benfica foi o quarto na qualificação do triplo, com 16,99 metros, enquanto o canoísta de Ponte de Lima foi o melhor das eliminatórias e o segundo da sua meia-final.

A final de Nelson Évora começa às 09:50 locais (13:50 em Lisboa), no Estádio Olímpico, no 'Engenhão', enquanto a regata decisiva de K1 1.000 metros arranca às 10:12 (14:12) de terça-feira, na Lagoa Rodrigo de Freitas.

Além dos dois candidatos ao pódio, destaque para os velejadores Jorge Lima e José Costa, que, em 49er, tentam ser os primeiros representes lusos a atingir a 'Medal Race', o que João Rodrigues (RS:X), por um lugar, ao ser 11.º, Gustavo Lima (Laser) e Sara Carmo (Laser Radial) não conseguiram.

A dupla de 49er parte para as três últimas regatas, de acesso à das medalhas, no 13.º posto, mas apenas a dois pontos da dupla brasileira, que segue em 10.º lugar.

Por seu lado, a cavaleira Luciana Diniz tenta garantir um lugar na terceira ronda de qualificação de saltos de obstáculos, depois de ter aberto a competição com oito pontos de penalização, a exemplo que sucedeu em Londres2012, onde foi 17.ª.

A sessão lusa abre com a final B de K1 200 metros, na qual participa Francisca Laia, enquanto, pouco depois, Maria Leonor Tavares e a recordista nacional Marta Onofre iniciam a qualificação do salto com vara.

Com Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.