sicnot

Perfil

Rio 2016

"Foi a minha medalha desta época"

© Phil Noble / Reuters

O atleta português Nelson Évora classificou esta terça-feira como a medalha da sua temporada o sexto lugar na final do triplo salto dos Jogos Olímpicos Rio2016, na qual foi o melhor europeu. "Foi a minha medalha desta época, sem dúvida. Depois de um ano com tantas dificuldades em encontrar bons saltos, consegui ter alguma consistência e arrisquei. Quem não arrisca não petisca, não foi uma prova em que conseguisse acertar nos últimos três ensaios, que foram nulos, mas eram saltos melhores. Faltou um pouco mais de consistência", assumiu.

Com um salto de 17,03 metros à terceira tentativa, o campeão olímpico de Pequim2008 acabou na sexta posição, depois de ter conseguido 16,90 e 16,93 nos primeiros ensaios e ter feito três nulos nas derradeiras tentativas.

"Eu cheguei a pensar sempre na medalha, não me deixei intimidar muito pelas marcas iniciais dos três medalhados", disse o campeão olímpico de Pequim2008, que viu o norte-americano Christian Taylor revalidar o título, com 17,86 metros, e, tal como em Londres2012, ficar à frente do compatriota Will Claye, com 17,76, com o chinês Dong Bin a fechar o pódio, com 17,58.

Com a final do triplo salto a disputar-se de manhã, menos de 24 horas depois do final da qualificação, Nelson Évora disse ter tentado "combater o cansaço de dois dias de prova seguidos, com um stress enorme, muita emoção", considerando que reagiu bem, "embora tivesse projetado mais" do que conseguiu.

"Tentei deixar tudo fluir. Nestes últimos ensaios foi o que procurei, tentei não me preocupar com a tábua e tentei colocar todos os meus segredos de salto, tentei pô-los em prática e saltar longe", referiu.

Na final, Nelson Évora foi o único europeu a entrar nos três saltos finais, destinados aos oito primeiros, algo que lhe podia ter dado "o título europeu há um mês atrás", dizendo que, "para aqueles que achavam que não, um velho conseguiu ser o melhor da Europa aqui nos Jogos".

"Mas foi uma boa prova, tenho de ficar feliz. Sem dúvida ambicionava mais, o meu treinador espelhou um pouco isso. Disse-lhe para ficar contente, porque não se fazem milagres, tentámos fazer o melhor em nome de Portugal, por nós próprios, por tudo aquilo que passámos, por isso, valeu a pena toda essa luta", afirmou.

Para o atleta do Benfica, o 17.º lugar nos últimos Europeus "foi um percalço, um acidente", admitindo que falou alguma consistência ao longo da temporada.

"O treinador João Ganço ficou insatisfeito. Ele acaba sempre por ter uma desilusão momentânea, ele ferve no momento, mas depois eu sei que ele vai assentar e pôr as ideias no sítio e apesar de tudo vai ver que foi uma boa competição. Ele tinha projetado, ele sabia que estava ao nosso alcance, mas nem sempre acontece. Nem sempre as coisas acontecem como projetamos", referiu.

Depois dos graves problemas físicos que o afetaram - os adversários "não tiveram metade" -, Nelson Évora diz que "não há que desanimar e achar que foi uma derrota", agradecendo "a todos os que acreditaram e apoiaram".

"Prometo que será sempre a minha postura e que lutarei sempre até ao fim para honrar as cores nacionais", afirmou.

Sobre a possibilidade de estar em Tóquio2020, Nelson Évora disse que, aos 32 anos, tem pensar "ano a ano", confessando que agora pensa "em boas férias e depois voltar cheio de motivação e treinar forte sem lesões, para que seja um trabalho contínuo".

"Foi espetacular voltar a estar numa final olímpica, é muito bom, é gratificante estar num estádio olímpico. Para mim, estar num país de língua portuguesa, com um estádio a apoiar-me mais do que aos medalhados foi uma sensação muito boa. Tenho de agradecer a todo o estádio, ao povo brasileiro pelo apoio incondicional, toda a boa energia. Quero agradecer aos portugueses que estiveram do lado de lá a enviar-me energia positiva", disse.

Agora, Nelson Évora vai descansar, "desfrutar as provas dos meus companheiros, apoiar quem ainda falta competir" e esperar por "alguma surpresa positiva".

"Eu tentei dar o meu contributo, mas Telma Monteiro mostrou um pouco dessa nossa garra dos portugueses acreditarem até ao fim, foi um bronze. Já sei que o Fernando Pimenta foi quinto e isso é a prova de que nem sempre tudo acontece como queremos, mas há que continuar a lutar", referiu.

Lusa

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

    Em atualização

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.

  • Projéteis com bolsas de água ajudam Israel a combater os fogos
    3:34

    Mundo

    Israel tem sido afetado por graves incêndios nos últimos meses. Várias empresas de armamento têm-se dedicado à luta contra o fogo e criaram, recentemente, uma nova arma para apagar fogos: um míssil de água, fabricado pela indústria de material de guerra, que tem ajudado bastante os bombeiros israelitas. A reportagem do correspondente da SIC no Médio Oriente, Henrique Cymerman, mostra-nos como funcionam os projéteis de água.

    Henrique Cymerman

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15