sicnot

Perfil

Rio 2016

Nelson Évora diz que não voltaria a apostar na temporada de pista coberta

O português Nelson Évora, sexto na final do triplo salto dos Jogos Olímpicos Rio2016, assegurou esta terça-feira que voltaria atrás na sua preparação da temporada e que teria abdicado da aposta na pista coberta.

"A única coisa que, se calhar, teria feito de diferente era não ter feito pista coberta. Fiz uma preparação muito a fundo e, se calhar, deveria ter-me resguardado um pouco mais, mas o meu treinador optou por eu ter mais ritmo competitivo. Não me trouxe nada", assumiu.

Com um salto de 17,03 metros, o campeão olímpico de Pequim2008 acabou na sexta posição, numa prova ganha pelo norte-americano Christian Taylor (17,86), seguido do compatriota Will Claye (17,76) e do chinês Dong Bin (17,58).

"Todos os medalhados, à exceção do chinês, optaram por não o fazer. Quem opta por fazer uma pista coberta opta por fazer mais provas, ganhar mais dinheiro, quem não, opta por treinar forte e entrar cedo na época, já com um bom momento de forma e fazer várias provas boas até uma grande competição. Esta era a única coisa que mudaria", disse.

O atleta do Benfica recordou que, em 2008, quando foi campeão olímpico, não apostou na pista coberta, enquanto este ano fez "um trabalho completamente diferente e foi muito difícil saltar em pista coberta".

"O que está feito está feito, não podemos olhar para trás, temos de aprender com estas coisas e eu e o meu treinador vamos encontrar forma de voltarmos ao pódio nas próximas grandes competições", referiu.

Nas eliminatórias e na final Évora fez quase sempre saltos a rondar os 17 metros, assumindo que "era assim que devia ter entrado em maio e passados três meses estaria com muitos saltos acima dos 17 metros, estaria muito mais consistente".

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC