sicnot

Perfil

Rio 2016

Canoista Hélder Silva lamenta primeira final falhada em quatro anos

ANT\303\223NIO COTRIM

O canoísta português Hélder Silva assumiu esta quarta-feira a tristeza por ter falhado pela primeira vez a final A de uma grande competição, depois de ter sido eliminado nas meias-finais de C1 200 dos Jogos Olímpicos Rio2016.

"Nunca fiz uma final B, a primeira final B em 200 metros vai ser amanhã, foram quatro anos sempre a ir às finais A, amanhã vai ser a minha primeira final B, claro que estou muito triste. Contava chegar pelo menos à final A. Claro que é um sentimento de tristeza", referiu.

Hélder Silva foi o quinto classificado na terceira meia-final, com um tempo de 41,162 segundos, sendo relegado para a final B, para definir as posições entre o nono e 16.º lugar.

"Na parte do fim, já vinha a esticar muito para vir perto deles, para tentar entrar na frente porque só os dois primeiros lugares é que davam acesso à final. 'Estiquei' ao máximo e na parte final quebrei um bocado, porque também já vinha a dar o máximo. Não queria perder a frente, tentei esticar ao máximo e na parte final desequilibrei-me um bocado, mas já não dava mais", assumiu.

Não procurando desculpas, Hélder Silva disse que hoje os "adversários foram mais fortes, houve dias em que foram mais fracos", lamentando novamente "os quatro anos sem falhar finais A".

"Estava um pouco vento de frente, por isso é que a prova começou lenta e terminou ainda mais lenta. Estava para toda a gente, os adversários são um pouco maiores do que eu, mas não é desculpa, porque eles foram melhores do que eu", referiu.

Na final B, de quinta-feira, Hélder Silva diz que vai entrar para ganhar, como faz sempre, "sejam quem forem os adversários, sejam campeões olímpicos ou campeões do mundo".

"Eu entro sempre para ganhar e já provei muitas vezes isso, já tinha ganhado a todos os meus adversários, mas hoje foi assim e amanhã é para tentar ganhar", garantiu.

Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06