sicnot

Perfil

Rio 2016

Canoista Hélder Silva lamenta primeira final falhada em quatro anos

ANT\303\223NIO COTRIM

O canoísta português Hélder Silva assumiu esta quarta-feira a tristeza por ter falhado pela primeira vez a final A de uma grande competição, depois de ter sido eliminado nas meias-finais de C1 200 dos Jogos Olímpicos Rio2016.

"Nunca fiz uma final B, a primeira final B em 200 metros vai ser amanhã, foram quatro anos sempre a ir às finais A, amanhã vai ser a minha primeira final B, claro que estou muito triste. Contava chegar pelo menos à final A. Claro que é um sentimento de tristeza", referiu.

Hélder Silva foi o quinto classificado na terceira meia-final, com um tempo de 41,162 segundos, sendo relegado para a final B, para definir as posições entre o nono e 16.º lugar.

"Na parte do fim, já vinha a esticar muito para vir perto deles, para tentar entrar na frente porque só os dois primeiros lugares é que davam acesso à final. 'Estiquei' ao máximo e na parte final quebrei um bocado, porque também já vinha a dar o máximo. Não queria perder a frente, tentei esticar ao máximo e na parte final desequilibrei-me um bocado, mas já não dava mais", assumiu.

Não procurando desculpas, Hélder Silva disse que hoje os "adversários foram mais fortes, houve dias em que foram mais fracos", lamentando novamente "os quatro anos sem falhar finais A".

"Estava um pouco vento de frente, por isso é que a prova começou lenta e terminou ainda mais lenta. Estava para toda a gente, os adversários são um pouco maiores do que eu, mas não é desculpa, porque eles foram melhores do que eu", referiu.

Na final B, de quinta-feira, Hélder Silva diz que vai entrar para ganhar, como faz sempre, "sejam quem forem os adversários, sejam campeões olímpicos ou campeões do mundo".

"Eu entro sempre para ganhar e já provei muitas vezes isso, já tinha ganhado a todos os meus adversários, mas hoje foi assim e amanhã é para tentar ganhar", garantiu.

Lusa

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.