sicnot

Perfil

Rio 2016

Usain Bolt na final dos 4x100 procura o terceiro ouro

© Lucy Nicholson / Reuters

A confirmação de Usain Bolt pela terceira vez consecutiva em Jogos Olímpicos na prova de 4x100 domina hoje o programa de finais do atletismo olímpico do Rio 2016, numa jornada em que se atribuem sete títulos, incluindo as estafetas de 4x100 metros.

Na estafeta masculina, a Jamaica, comandada por Bolt, é a grande favorita e se vencer, como tudo aponta, o lendário velocista fecha a sua carreira olímpica com nove medalhas de ouro - 100, 200 e estafeta, sucessivamente em 2008, 2012 e 2016.

Além dos 4x100, o estádio olímpico, conhecido por Engenhão, recebe ainda a corrida decisiva de 5.000 metros femininos, em que a recente recordista mundial dos 10.000, a etíope Almaz Ayana, promete a 'dobradinha'.

Em termos de concursos, disputa-se a final do salto com vara feminino, órfã da russa Elena Ysinbayeva, impedida de defender o título, e o do lançamento do martelo, masculinos. Fora do estádio, há as provas de 20 km marcha, femininos, e 50 km marcha.

No futebol, haverá inédita campeã olímpica feminina no Suécia-Alemanha, já que, até hoje, houve quatro títulos para os Estados Unidos e um para a Noruega.

As suecas, que foram quartas em Atenas2014, foram mesmo a grande surpresa da competição, ao afastar as favoritas seleções dos Estados Unidos e do Brasil, ambas já no desempate por grandes penalidades.

A Alemanha, que conquistou o bronze em Sydney200, Atenas2004 e Pequim2008, lutando pelo seu primeiro título.

No polo aquático feminino, os Estados Unidos defendem o título frente à campeã olímpica em Atenas2004, a Itália, enquanto Hungria e Rússia lutam pelo bronze.

No hóquei em campo feminino, a Holanda procura o 'tri', numa final com a Grã-Bretanha, mealha de bronze em Londres2012, enquanto Nova Zelândia e Alemanha disputam o terceiro lugar.

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44