sicnot

Perfil

Rio 2016

'Media' chineses instados a falar de patriotismo dos atletas em vez dos fracasssos

© POOL New / Reuters

As autoridades chinesas ordenaram aos 'media' nacionais para deixarem de publicar notícias sobre os problemas e fracassos dos atletas do país nos Jogos Olímpicos e centrarem-se em exaltar o patriotismo dos desportistas, escreve a agência Efe.


"Não informem sobre as misérias dos atletas olímpicos, informem mais sobre o seu espírito patriótico", refere uma diretiva enviada aos 'media' chineses e publicada na página de Internet do ministério que tutela a comunicação social.

A ordem surge nos últimos dias dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, numas olimpíadas em que a China teve das piores prestações em comparação com as edições anteriores, o que, juntamente com o aparecimento de atletas nacionais com forte personalidade como a nadadora Fu Yuanhui, mudou a forma de noticiar da imprensa chinesa.

A comunicação social tem focado mais o lado humano dos desportistas do que a glória.

Fu ficou famosa ao mostrar-se surpreendida para as câmaras de televisão quando foi informada pela jornalista de que tinha conquistado uma medalha de bronze e também pelas suas declarações. Entre outros comentários, ficou famosa por dizer que não tinha feito uma boa prova por estar menstruada.

Outros desportistas chineses também mudaram a habitual atitude fria e patriótica dos seus antecessores, como a jogadora de pingue-pongue Li Xiaoxia, que depois de ganhar o ouro na prova de pares confessou que tinha terminado a relação com o namorado.

Enquanto a China deixava fugir algumas vitórias nestas olimpíadas, acontecimentos como o pedido de casamento de um atleta à namorada, quando ela estava a receber a medalha de prata na prova feminina de trampolim a três metros, tornaram-se virais no país.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.