sicnot

Perfil

Rio 2016

Amnistia diz que legado olímpico foi arruinado com assassinatos por parte da polícia

O legado dos Jogos Olímpicos 2016, no Rio de Janeiro, foi destruído com, pelo menos, oito mortos em operações policiais na cidade durante o evento e com a repressão de protestos pacíficos, alertou esta segunda-feira a Amnistia Internacional.

"O Brasil perdeu a medalha mais importante em jogo durante o Rio2016: a chance de se tornar um campeão em direitos humanos", afirmou Atila Roque, diretor executivo da Amnistia Internacional no Brasil.

Para o mesmo responsável, as autoridades brasileiras desperdiçaram uma "oportunidade de ouro" para cumprir as promessas que fizeram no sentido de "implementar políticas de segurança pública para fazerem do Rio uma cidade segura para todos".

"A única maneira de desfazer alguns dos muitos erros que ocorreram durante os Jogos é garantir que todos os assassinatos e outras violações dos direitos humanos por parte da polícia sejam efetivamente investigados e que os responsáveis sejam levados à justiça", considerou.

Para além dos oito assassinatos - um número que pode subir por ainda não terem sido confirmadas mortes em duas favelas -, houve relatos de outras violações de direitos humanos, como "invasões de domicílio, ameaças diretas e agressões físicas e verbais por parte da polícia", lê-se num comunicado daquela organização de defesa dos direitos humanos.

A organização não-governamental (ONG) recordou que o número de homicídios provocados pelas forças de segurança na região aumentou nos últimos meses, de 35 em abril para 49 em junho.

"A guerra às drogas e uma abordagem fortemente armada nas operações de segurança do Brasil também tem vindo a pôr polícias em risco", sendo que nos primeiros dez dias dos Jogos Olímpicos, pelo menos, dois agentes foram mortos, alertou.

De acordo com a mesma ONG, "manifestantes foram duramente reprimidos pela polícia, dentro e fora das arenas desportivas".

Manifestações pacíficas foram recebidas com violência policial, incluindo com o uso de armas, como gás lacrimogéneo, e houve pessoas detidas e retiradas das arenas desportivas por vestirem roupas ou segurarem faixas com mensagens políticas, lembrou a organização, falando em violação do direito à liberdade de expressão.

Em São Paulo, a 05 de agosto, uma manifestação culminou com "mais de 100 detenções, incluindo, pelo menos, 15 menores", acrescentou.

"Terminámos os Jogos Olímpicos com políticas de segurança pública ainda mais militarizadas, focadas numa repressão muito seletiva, no uso excessivo da força e de operações policiais de combate em favelas", constatou Atila Roque, frisando que as violações de direitos humanos contra residentes atingem sobretudo jovens negros do sexo masculino.

Para a organização, o Comité Olímpico Internacional (COI) e outros organismos de organização desportiva "não devem permitir que os eventos desportivos serem realizados à custa dos direitos humanos das pessoas ".

Lusa

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.