sicnot

Perfil

Rio 2016

Maratonista Manuel Mendes admite que medalha "não era totalmente esperada"

O atleta português Manuel Mendes admitiu que a medalha de bronze que conquistou este domingo na maratona da classe T46 dos Jogos Paralímpicos Rio2016 "não era totalmente esperada".

"O meu treinador disse que se tivesse juízo podia fazer uma surpresa e fiz", afirmou o atleta, que não tem o antebraço esquerdo, no final dos 42,195 quilómetros da prova, disputada num circuito do Forte de Copacabana.

Manuel Mendes terminou a prova com o tempo de 2:49.57 minutos, atrás do chinês Li Chanoyyan (2:33.35) e do espanhol Abderrahmam Khamouch (2:37.01), medalhas de ouro e prata, respetivamente.

O atleta, de 45 anos, explicou que fez toda a prova no seu ritmo, admitindo que as temperaturas superiores a 35 graus acabaram por prejudicar alguns dos favoritos.

"Andei no meu ritmo, nunca sai da minha zona de conforto, com as temperaturas, os favoritos foram caindo. Andei uma volta completa num ritmo tranquilo", disse.

Manuel Mendes, que se estreou em Jogos Paralímpicos, reconheceu que a melhor estratégia foi não arriscar muito: "Se me aventurasse teria 'estourado' e, na parte final, teria sido apanhado".

O atleta manifestou a esperança de que estes não sejam os seus últimos Jogos Paralímpicos, afirmando: "a minha carreira ainda não está terminada, mas é preciso dar passos certos com os pés no chão".

Visivelmente satisfeito, o atleta português agradeceu à família, aos amigos, e ao treinador, Ricardo Ribas, dedicando a todos e "também à cidade de Guimarães" a medalha hoje conquistada.

Portugal fechou assim a sua participação nos Jogos Paralímpicos Rio2016 com quatro medalhas de bronze: duas no atletismo e duas no boccia.

Lusa

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05