sicnot

Perfil

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sobe para 7.557 número de mortos no sismo no Nepal

As autoridades nepalesas informaram hoje que "um exército" de trabalhadores está finalmente a conseguir fazer chegar a ajuda aos sobreviventes do sismo no Nepal, numa altura em que o número de vítimas mortais subiu para 7.557.

© Adnan Abidi / Reuters

Mais de 131.500 militares e polícias nepaleses participam atualmente na massiva operação, apoiados por mais de uma centena de equipas de trabalhadores humanitários estrangeiros.


O Centro de Operações de Emergência Nacional do Nepal elevou hoje para 7.557 o número de mortes causadas pelo forte sismo, o mais mortífero do país em mais de 80 anos, o qual provocou também 14.536 feridos.


O terramoto, registado no passado dia 25 de abril, também fez mais de uma centena de mortos nas vizinhas Índia e China.


As autoridades nepalesas advertiram, porém, que o balanço final deverá aumentar, atendendo a que as equipas de resgate começam apenas agora a ter acesso a zonas remotas da nação.


O Governo do Nepal tem sido alvo de críticas pelos atrasos na entrega de ajuda, uma situação que o Ministério do Interior afirmou estar atualmente sob controlo.


Lusa
  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35