sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Relação de Lisboa rejeita reclamação da defesa de Sócrates

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) rejeitou a reclamação da defesa de José Sócrates, que tinha apontado nulidades e omissões no acórdão do TRL que manteve a medida de coação de prisão preventiva aplicada ao ex-primeiro-ministro na "Operação Marquês".

© Hugo Correia / Reuters

Fonte do TRL adiantou à agência Lusa que após a Relação ter decidido, a 17 de março, manter José Sócrates em prisão preventiva, a defesa do ex-líder do PS apresentou uma reclamção ao coletivo de juízes desembargadores, alegando que houve omissão da pronúncia sobre a incompetência do tribunal, nulidades por falta de fundamentação e erros manifestos do próprio acórdão.

"O TRL, através do coletivo, concluiu pela improcedência desta reclamação", disse a fonte, precisando que a decisão foi proferida na terça-feira à tarde pelos desembargadores Agostinho Torres e João Carrola.

A 17 de março, um acórdão do TRL, que teve Agostinho Torres como relator, manteve José Sócrates em prisão preventiva, por considerar que se mantinham os fortes indícios dos crimes que são imputados ao ex-primeiro ministro -- fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais -- e de perigo de perturbação na recolha e conservação da prova.

O acórdão então proferido pelo TRL não admitia recurso para o Supremo Tribunal de Justiça, pelo que a defesa de Sócrates decidiu reclamar da decisão.

Além de Sócrates, são arguidos na "Operação Marquês" o empresário Carlos Santos Silva (também em prisão preventiva), João Perna (ex-motorista de Sócrates), o advogado Gonçalo Trindade Ferreira, o administrador da farmacêutica Octhaparma Lalanda de Castro, Inês do Rosário (mulher de Carlos Santos Silva) e o administrador do grupo Lena Joaquim Barroca Rodrigues, que na semana passada ficou em prisão preventiva, medida que será substituída por prisão domiciliária com pulseira eletrónica devido a problemas de saúde.



Lusa
  • José Sócrates admite que pode ser condenado
    5:51

    Operação Marquês

    José Sócrates acusa o Ministério Público de terrorismo de Estado, de fazer caça ao homem e de estar a trabalhar numa tese patética e absurda. A SIC teve acesso à carta enviada ao socialista António Campos. Sócrates fala pela primeira vez da detenção do administrador do Grupo Lena. O que acabámos de ver é apenas um excerto desta longa carta escrita por José Sócrates. A versão completa está disponível na SIC online.

  • Carta de Sócrates sobre detenção de administrador do Grupo Lena

    Operação Marquês

    José Sócrates comentou pela primeira vez a detenção de mais um arguido na Operação Marquês, o administrador do Grupo Lena e alegado corruptor do antigo-primeiro-ministro.  Numa carta a que a SIC teve acesso, Sócrates diz que o Ministério Público está a trabalhar numa teoria "delirante e absurda" e volta a falar de perseguição política.O teor da carta de Sócrates vai ser divulgado em exclusivo no Jornal da Noite da SIC. Poderá ser lida na íntegra no site.

  • Advogados negam envolvimento de Sócrates em corrupção no Grupo Lena
    1:40

    Operação Marquês

    Perante a detenção de Joaquim Barroca Rodrigues, no âmbito da Operação Marquês, os advogados de José Sócrates vieram esta sexta-feira reafirmar que o antigo primeiro-ministro não está envolvido em atos de corrupção no Grupo Lena. Em conferência de imprensa, João Araújo acusou o Ministério Público de querer manter um espetáculo encenado para justificar a prisão preventiva de Sócrates.

  • Alemães protestam contra a Extrema-Direita
    0:39
  • Incêndio urbano em Coimbra deixa cinco pessoas desalojadas

    País

    Um incêndio numa habitação na cidade de Coimbra deixou este domingo cinco pessoas desalojadas, disse à agência Lusa fonte dos Bombeiros Sapadores. Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra adiantou que o fogo destruiu uma parte substancial de um edifício de três andares em frente à sede da Associação Académica de Coimbra, na rua Padre António Vieira.