sicnot

Perfil

Operação Marquês

Sócrates considera cínico anúncio da PGR sobre adiamento

Sócrates considera cínico anúncio da PGR sobre adiamento

O ex-primeiro-ministro socialista José Sócrates acusa a Procuradora Geral da República, Joana Marques Vidal, de cinismo ao anunciar o adiamento da investigação da "Operação Marquês". "A Procuradora, de forma completamente cínica, vem dizer que decidiu acelerar o processo. E decide acelerar para quê? Para adiar seis meses", perguntou o ex-primeiro-ministro José Sócrates, arguido da Operação Marquês, entrevistado pela TSF.

Contactada pela Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) disse não ter qualquer comentário a fazer sobre a entrevista de Sócrates.

A PGR informou na quarta-feira que concedeu mais 180 dias (seis meses) para a "realização de todas as diligências de investigação consideradas imprescindíveis" na Operação Marquês, que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Decisões "ilegais, abusivas e arbitrárias" foi como a defesa de José Sócrates classificou na quinta-feira o alargamento, por mais 180 dias, do prazo para concluir o inquérito e a recusa do procurador em dar a conhecer aos arguidos as suas justificações.

"O Ministério Público só não encerra o inquérito porque não quer. Porque não tem factos e porque todas as provas que tem impõem o imediato arquivamento, que é a última coisa que quer reconhecer", referia um comunicado dos advogados João Araújo e Pedro Delille.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.