sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Já há acusação, e agora? 7 perguntas sobre os próximos capítulos da Operação Marquês

José Sócrates, Ricardo Salgado e Carlos Santos Silva

Aí está a acusação da Operação Marquês. Mas o que é que se segue? O que deve fazer a defesa? E quando é o julgamento? Quando tempo pode durar? E vai haver presos? Já, agora, há casos paralelos em investigação? Sete perguntas para perceber melhor a Operação Marquês.

1. Finalmente há acusação, mas o que se segue na Operação Marquês?
O mais natural é que a defesa requeira a instrução. Qualquer acusado tem 20 dias para o fazer, a partir do momento em que o último arguido é notificado da acusação. Mas pode pedir até mais 30 dias devido à complexidade e dimensão do caso. Ou seja, no total tem 50 dias a partir da última notificação para requerer a instrução, onde se pode debater a acusação.
A instrução termina com um debate instrutório, uma diligência pública com intervenção do Ministério Público, dos arguidos e eventualmente dos assistentes, que tem por objetivo permitir uma discussão perante o juiz sobre a existência de indícios suficientes para submeter, ou não, o caso a julgamento.
Na prática, termina com um despacho de pronúncia (decisão de avançar para julgamento) ou um despacho de não pronúncia (quando se decide não avançar para julgamento). A instrução pode durar até 4 meses.
Contas feitas são uns quantos dias para notificar todos os arguidos, mais 50 para a instrução e mais 4 meses. Devemos contar com 6 meses, pelo menos.

2. Quem será o juiz na instrução?
Das duas uma, ou o caso continua com Carlos Alexandre ou é entregue a Ivo Rosa. A decisão é feita por sorteio, pelo que cada um dos dois juízes do Tribunal Central de Investigação Criminal tem 50% de hipóteses de ficar com o caso. E isso faz alguma diferença? Em teoria não, mas na prática, sim e de que maneira. É que os dois juízes não são propriamente amigos nem têm visões iguais da investigação, sendo que Ivo Rosa costuma ser muito mais exigente com o Ministério Público.
Já houve casos em que arrasou o trabalho dos procuradores e é visto nos meios judiciais como mais sensível aos direitos da defesa. Ainda recentemente, Ivo Rosa proibiu as buscas a casa do Manuel Pinho na investigação que envolve altos dirigentes da EDP. O despacho de julho de Ivo Rosa, noticiado pelo Expresso, é um quase enxovalho do Ministério Público, porque além de proibir as buscas, o juiz de instrução destruiu a qualidade da investigação sem grandes hesitações. Seria curioso ver como é o que caso andava (ou não) nas mãos de Ivo Rosa, com Carlos Alexandre a poucos metros de distância...

Juiz Carlos Alexandre

Juiz Carlos Alexandre

Luis Barra

3. O que deve fazer a defesa?
A operação Marquês tem 28 arguidos, pelo que não existe propriamente uma defesa, mas antes várias defesas. Apesar da diversidade dos arguidos - 19 pessoas singulares e 9 empresas ou sociedades - e dos interesses diversos, a instrução é absolutamente inevitável, sendo que a defesa deve tentar esgotar os prazos. Pode facilmente argumentar com a complexidade do caso, a extensão de uma acusação - 4 mil páginas - que só agora conhece e a "fragilidade" de algumas ligações ou deduções do caso.
Mesmo entre os principais arguidos há questões muito diferentes, pelo que terá que se aguardar pelas diversas estratégias de defesa, que tentarão destruir a aparente solidez do caso, evitando, assim, o julgamento ou enfraquecendo um processo que alargou muito o seu âmbito desde o arranque em 2013, quando tudo se centrava em José Sócrates, Carlos Santos Silva e o Grupo Lena.
Além disso, a defesa pode tentar várias nulidades, avançar com recursos de diversa ordem, pedir esclarecimentos, etc. As variáveis são tantas que seria entediante desfiar esse novelo, mas a Operação Marquês vai andar por várias instâncias nos próximos anos.

4. Quando será o julgamento?
Está sentado? Convém, porque será preciso que todos os astros se alinhem para que um julgamento comece em 2018. Seria relativamente raro que tudo estivesse pronto durante o próximo ano, com tantas armas à disposição dos "dois lados", ainda por cima num caso desta importância e gravidade. Se algum amigo o quiser arrastar para uma aposta, jogue em 2019. É mais seguro. Mas nunca se sabe...

5. Quanto tempo pode durar todo o processo?
Continua sentado? Agora convém mesmo, porque todos temos na memória (e no bolso) o caso BPN, que durou... sete anos! É verdade que os casos bancários são mais complexos e muito mais difíceis de julgar, mas não é menos verdade que este caso tem demasiadas ramificações financeiras e empresariais para poder ser julgado depressa. Com 29 arguidos, nem dá para imaginar o que será uma sessão de julgamento da Operação Marquês.
Se quiser entrar numa aposta, jogue pelo seguro e diga que o julgamento acabará entre a temporada final da Guerra dos Tronos e a chegada do terceiro capítulo do Blade Runner. É um truque que funciona sempre, porque a série vem em 2019 e o Blade Runner demora que se farta a regressar... Se for muito exigente, aposte em 2023 que não andará muito longe da verdade.

6. Vai haver presos?
Depende muito da instrução e do que segue para julgamento, mas é praticamente impossível que, depois de uma acusação desta gravidade não haja condenações a pena de prisão efetiva. Seria necessário que os crimes mais graves caíssem entretanto ou fossem dados como não provados. É certo que os crimes de fraude fiscal e branqueamento de capitais muitas vezes não redundam em penas de prisão efetiva, mas quando os valores são muito elevados é difícil que o caso acabe só com multas e penas suspensas. Além disso, o crime de corrupção é , em teoria, sinónimo de prisão. O andamento e a solidez do caso determinará o destino dos arguidos.

7. Há casos paralelos à Operação Marquês?
Sim. A acusação do Ministério Público, tornada pública esta manhã, afirma que foram extraídas 15 certidões ao processo, para que outras investigações possam prosseguir. O único caso conhecido envolve Lalanda e Castro, da Octapharma. Os outros são, até ao momento, desconhecidos, mas estarão seguramante relacionados com várias pontas soltas que foram reatadas nestes anos e que não constam da acusação. Vamos ter sequelas, prequelas, remakes e, provavelmente, muita série B.

  • O tempo para hoje
    0:57

    País

    O Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje chuva fraca a norte do sistema Montejunto-Estrela com subidada temperatura mínima. Céu muito nublado ou encoberto, apresentando-se em geral pouco nublado no Baixo Alentejo e no Algarve até meio da manhã. Períodos de chuva fraca ou chuvisco nas regiões a norte do sistema montanhoso Montejunto-Estrela, mais frequentes no Minho e Douro Litoral e a partir da tarde.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.