sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

BE diz que depois do momento da solidariedade terá de se avaliar como foi possível

HUGO DELGADO

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) expressou hoje pesar pelas vítimas do incêndio no distrito de Leiria e defendeu que este é o momento da solidariedade, mas que depois terá de se avaliar como foi possível.

"O incêndio que está a ocorrer em Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera assumiu as dimensões de uma tragédia como nós nunca vimos. Neste momento, o que há a dizer é, naturalmente, o pesar para com as famílias e os amigos das vítimas", declarou Catarina Martins aos jornalistas, na sede do BE, em Lisboa.

A coordenadora do BE defendeu que, "claro, depois terá de haver avaliação de como é que foi possível, como é que aconteceu, do que tem de ser feito", referindo: "Sabemos que temos problemas no país que estão mal resolvidos há muito tempo".

"Mas hoje, seguramente, é o dia de toda a solidariedade para com as populações, para com os bombeiros, para todos quantos estão a combater o incêndio, o nosso pesar para com as vítimas. Teremos tempo para tudo o resto", acrescentou.

O BE cancelou toda a sua agenda política, da direção nacional e de todas as candidaturas autárquicas, até terça-feira.

Catarina Martins expressou "toda a solidariedade para com as populações, toda a solidariedade para com os bombeiros que estão neste momento no terreno numa missão tão difícil, e com todas as forças que os estão a apoiar: militares, também tantos civis que estão a ajudar os bombeiros neste momento, o INEM [Instituto Nacional de Emergência Médica]", e desejou "rápida recuperação aos feridos que estão neste momento hospitalizados".

Em seguida, dirigiu três apelos, um dos quais aos jornalistas, "para garantirem a necessária reserva das vítimas" do incêndio no distrito de Leiria, depois de lhes agradecer "o enorme esforço" que estão a fazer para noticiar a situação no terreno.

A coordenadora do BE apelou também a que "a solidariedade nacional e internacional para com estas populações seja ativada o mais depressa possível, para que todos os meios cheguem o mais depressa possível".

Lembrando que "há mais incêndios neste momento a acontecer no país, que estamos num dia muito quente", Catarina Martins pediu ainda "a que toda a gente cumpra as regras de segurança, que esteja atento aos apelos da Proteção Civil".

O fogo deflagrou ao início da tarde de sábado numa área florestal em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e alastrou-se aos municípios vizinhos de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, obrigando a evacuar povoações ou deixando-as isoladas.

Segundo um balanço feito às 12:00 de hoje pelo secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, o incêndio provocou 58 mortos.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou que o incêndio terá sido causado por trovoadas secas, salientando, no entanto, que "é prematuro tirar ilações" sobre o que aconteceu.

Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08