sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

BE diz que depois do momento da solidariedade terá de se avaliar como foi possível

HUGO DELGADO

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) expressou hoje pesar pelas vítimas do incêndio no distrito de Leiria e defendeu que este é o momento da solidariedade, mas que depois terá de se avaliar como foi possível.

"O incêndio que está a ocorrer em Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera assumiu as dimensões de uma tragédia como nós nunca vimos. Neste momento, o que há a dizer é, naturalmente, o pesar para com as famílias e os amigos das vítimas", declarou Catarina Martins aos jornalistas, na sede do BE, em Lisboa.

A coordenadora do BE defendeu que, "claro, depois terá de haver avaliação de como é que foi possível, como é que aconteceu, do que tem de ser feito", referindo: "Sabemos que temos problemas no país que estão mal resolvidos há muito tempo".

"Mas hoje, seguramente, é o dia de toda a solidariedade para com as populações, para com os bombeiros, para todos quantos estão a combater o incêndio, o nosso pesar para com as vítimas. Teremos tempo para tudo o resto", acrescentou.

O BE cancelou toda a sua agenda política, da direção nacional e de todas as candidaturas autárquicas, até terça-feira.

Catarina Martins expressou "toda a solidariedade para com as populações, toda a solidariedade para com os bombeiros que estão neste momento no terreno numa missão tão difícil, e com todas as forças que os estão a apoiar: militares, também tantos civis que estão a ajudar os bombeiros neste momento, o INEM [Instituto Nacional de Emergência Médica]", e desejou "rápida recuperação aos feridos que estão neste momento hospitalizados".

Em seguida, dirigiu três apelos, um dos quais aos jornalistas, "para garantirem a necessária reserva das vítimas" do incêndio no distrito de Leiria, depois de lhes agradecer "o enorme esforço" que estão a fazer para noticiar a situação no terreno.

A coordenadora do BE apelou também a que "a solidariedade nacional e internacional para com estas populações seja ativada o mais depressa possível, para que todos os meios cheguem o mais depressa possível".

Lembrando que "há mais incêndios neste momento a acontecer no país, que estamos num dia muito quente", Catarina Martins pediu ainda "a que toda a gente cumpra as regras de segurança, que esteja atento aos apelos da Proteção Civil".

O fogo deflagrou ao início da tarde de sábado numa área florestal em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e alastrou-se aos municípios vizinhos de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, obrigando a evacuar povoações ou deixando-as isoladas.

Segundo um balanço feito às 12:00 de hoje pelo secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, o incêndio provocou 58 mortos.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou que o incêndio terá sido causado por trovoadas secas, salientando, no entanto, que "é prematuro tirar ilações" sobre o que aconteceu.

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.