sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Equipa de desastres de massa a caminho de Pedrógão Grande

Paulo Cunha

Uma equipa de desastres de massa do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF), com quatro elementos, vai deslocar-se para Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, onde no sábado um incêndio provocou 24 mortos.

"Vai para o local uma equipa do INMLCF de desastres de massa, constituída por quatro pessoas que são especialistas na identificação de corpos em casos de catástrofe", disse hoje à agência Lusa fonte do gabinete de comunicação do Ministério da Justiça.

Segundo a mesma fonte, pelas 02h00 estava a deslocar-se para Pedrógão Grande o presidente do instituto, Francisco Corte-Real, assim como a diretora do Serviço de Patologia.

"Entretanto foi também decidido transferir os corpos das vítimas mortais para a sede do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, em Coimbra", adiantou a mesma fonte.

Vinte e quatro pessoas morreram no sábado no incêndio que deflagrou durante a tarde numa zona florestal no concelho de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e que continua a ser combatido na madrugada de hoje.

"Temos a confirmação de 19 vítimas mortais, civis", disse na noite de sábado o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, que explicou que 16 pessoas morreram carbonizadas dentro dos carros em que seguiam, na estrada nacional que liga Figueiró a Castanheira de Pêra.

Outras três pessoas morreram por inalação de fumos, no concelho de Figueiró dos Vinhos, acrescentou o secretário de Estado, em declarações aos jornalistas em Pedrógão Grande.

Entretanto, já na madrugada de hoje, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o número de mortos subiu para 24.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".