sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Misericórdias podem acolher desalojados nos distritos de Leiria e Coimbra

Paulo Cunha

As misericórdias portuguesas vão poder acolher os desalojados dos incêndios que lavram nos distritos de Leiria e Coimbra, disse este domingo à agência Lusa o presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP).

"Fizemos já um levantamento de quantas pessoas podemos acolher, eu já tenho esse resultado no distrito de Coimbra e, numa primeira fase, podemos acolher de imediato cerca de 100 pessoas", disse Manuel Lemos.

Sobre as pessoas que as misericórdias podem acolher no distrito de Leiria, o presidente da UMP acrescentou que o número deve ser semelhante ao de Coimbra, pelo que está convicto de que pode acolhê-las "todas". A não ser que o número de desalojados aumente exponencialmente, observou Manuel Lemos.

A julgar pelo que tem ouvido na comunicação social, o presidente da União das Misericórdias disse que o número de desalojados deve rondar os 250 e que, sendo assim, a instituição que dirige pode acolhê-los a todos nos distritos a que pertencem.

Manuel Lemos acrescentou que nos concelhos onde existem incêndios as misericórdias "estão a trabalhar a um milhão por cento", tanto para acolher as pessoas, como para apoiar os que combatem os fogos.

Além disso, as misericórdias estão a funcionar como retaguarda umas das outras nos distritos de Coimbra e de Leiria, os mais fustigados pelos fogos, observou.

Lusa

  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC