sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Fogo idêntico ao de Pedrógão Grande pode ocorrer em três quartos do país 

O presidente do Fórum Florestal, António Louro, alertou que um incêndio como o que deflagrou em Pedrógão Grande pode acontecer em três quartos do território português, que tem uma paisagem e condições semelhantes. "Infelizmente o potencial para acontecerem novas tragédias é extremamente elevado", disse à agência Lusa António Louro, rematando: "o mais preocupante é que aquilo que aconteceu em Pedrógão podia ter acontecido em três quartos do nosso território".

Há dez anos a alertar para este perigo, António Louro confessou que o seu espanto é ter "demorado tanto tempo a acontecer uma tragédia desta dimensão". "Tivemos muita sorte de ter demorado tanto tempo a acontecer", porque "as situações de perigo no combate aos incêndios florestais são extremamente recorrentes", assim como as condições climatéricas adversas, adiantou.Sobre o que tem falhado, António Louro disse que têm "faltado estadistas e capacidade enquanto país de perceber o que é que está a acontecer" às populações rurais e "tomar medidas adequadas para corrigir a situação".

Durante séculos a ferramenta para gerir estes territórios foi a aldeia e o agricultor, mas com "as grandes mudanças socioeconómicas que aconteceram, a agricultura deixou de ser minimamente aliciante para que as pessoas continuassem com esse modo de vida e foi naturalmente abandonada".Aquilo que hoje existe são "enormes extensões de território que têm proprietários legítimos, mas que já não têm um modo de vida compatível" com a gestão destes espaços.

"Infelizmente o país não foi capaz de reagir às profundas mudanças que aconteceram no território rural, à saída das pessoas, há mudança do tipo de proprietários, e as consequências estão à vista: uma paisagem completamente insustentável com um clima como o nosso", sublinhou.Para evitar novos incêndios destas dimensões, o presidente do Fórum Florestal defendeu que é preciso procurar "novas soluções de gestão para os territórios rurais", que permitam implementar o ordenamento, e sistemas de gestão.Defendeu ainda que as autoridades deviam pensar com urgência como é que as verbas do plano Junker podem ser alocadas "a um verdadeiro plano de desenvolvimento da floresta em Portugal".


  • Encontrado corpo de mariscador desaparecido no Barreiro

    País

    O corpo do homem com cerca de 50 anos apareceu esta manhã junto ao Clube Naval do Barreiro, na mesma zona onde tinha desaparecido na noite deste sábado. A informação já foi confirmada à SIC pela Polícia Marítima, que adiantou que o corpo já foi levado para a morgue. O alerta foi dado por volta das 22:30 de ontem pelos companheiros de nacionalidade chinesa que estavam com a vítima na apanha de bivalves na margem sul do Tejo.

  • Mais de duas mil pessoas retiradas do fogo junto ao parque Doñana, no Sul de Espanha

    Mundo

    O incêndio florestal começou ainda na noite deste sábado na aldeia de Las Peñuelas de Moguer, na província de Huelva e obrigou à evacuação de várias localidades e à retirada de mais de duas mil pessoas, de vários alojamentos turísticos (incluindo o Parador de Mazagon, dois parques de campismo e um hotel). Foi ainda ativado o plano de emergência da província.

  • Portugal "precisa avançar no trabalho" para reduzir crédito malparado
    1:36

    Economia

    Bruxelas recomenda e insiste que o Governo português avance no trabalho para resolver o crédito malparado. Em entrevista à SIC e ao Expresso, o vice-Presidente da Comissão para o Euro e Estabilidade Financeira, Valdis Dombrovskis, adianta que Bruxelas está também a preparar um Plano de Ação ao nível europeu.

    Entrevista SIC/Expresso

  • Líder do Daesh abatido durante fuga

    Daesh

    Um líder do Daesh e o assistente foram abatidos pela polícia iraquiana, em Mossul. A notícia é avançada pela agência EFE que esclarece que os dois homens terão sido mortos enquanto fugiam do Oeste para Este da cidade iraquiana através do rio Tigre.