sicnot

Perfil

Tragédia no Tejo

Tragédia no Tejo

Tragédia no Tejo

Buscas para encontrar criança desaparecida no Tejo suspensas até quarta-feira de manhã

As buscas para encontrar a criança de quatro anos desaparecida desde segunda-feira após ter caído ao rio Tejo, junto à praia de Caxias, Oeiras, foram suspensas às 18:50 de hoje e serão retomadas às 07:30 de quarta-feira.

Pedro Nunes / Lusa

De acordo com o comandante Malaquias Domingues, da Capitania de Lisboa, o dia de operações "não foi bem-sucedido, apesar de todos os esforços", e, devido à falta de luz, as buscas ficam suspensas por hoje, embora permaneçam dois elementos da Polícia Marítima no local durante toda a noite.

Uma criança de 19 meses morreu e outra de quatro anos está desaparecida depois de terem caído ao rio na zona da praia de Caxias, na segunda-feira à noite. O alerta foi dado por uma testemunha que viu uma mulher sair da água, em pânico e em avançado estado de hipotermia e a afirmar que as suas duas filhas estavam dentro de água.

A criança de 19 meses foi resgatada e alvo de tentativa de reanimação, mas sem sucesso.

O dia de hoje ficou marcado pelo ferimento de um dos quatro elementos da equipa de mergulhadores, que teve de ser transportado para o hospital. A situação obrigou à suspensão das buscas de mergulho durante cerca de duas horas.

Faltava pouco para as 15:00, no período de maré-baixa, quando uma nova equipa de mergulhadores do grupo forense da Polícia Marítima, composta por cinco elementos, avançou para as buscas no local do desaparecimento da criança, numa zona rochosa, suspeitando-se de que pudesse estar ali presa.

No entanto, avançou Malaquias Domingues, "não houve qualquer evolução".

As operações de salvamento desenvolveram-se até um perímetro de cerca de 10 quilómetros quadrados e contaram com a presença de três embarcações, mais de 30 elementos da Polícia Marítima, Instituto de Socorros a Náufragos e PSP.

A mãe das crianças, de 37 anos, foi transferida para o Hospital Santa Maria, em Lisboa, onde permanece internada.

As autoridades estão a investigar as circunstâncias em que ocorreu o incidente.

Em declarações à agência Lusa, fonte da Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco da Amadora adiantou que a família estava sinalizada e que a mulher já tinha apresentado queixa em novembro na polícia por violência doméstica e suspeita de abusos sobre as meninas por parte do pai.

Lusa

  • Mergulhadores interrompem buscas por criança no Tejo
    1:08

    Tragédia no Tejo

    Foram interrompidas as buscas com mergulhadores pela criança de 4 anos que está desaparecida desde ontem à noite no Tejo, junto à praia de Caxias. Os mergulhadores envolvidos tinham esperança de encontrar o corpo quando a maré estivesse mais baixa, voltarão ao mar amanhã de manhã. A Polícia Judiciária ainda não conseguiu falar com a mãe do bebé de 19 meses, que acabou por morrer, e da criança desaparecida, pois ainda se encontra hospitalizada no Hospital Santa Maria.

  • 105 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.