sicnot

Perfil

TSU/PEC

PSD diz que o seu voto contra redução da TSU "liberta concertação de constrangimentos políticos"

HOMEM DE GOUVEIA

O PSD defendeu que o seu voto contra a redução da Taxa Social Única (TSU) contribui para libertar a concertação de "constrangimentos políticos" e permite que, no futuro, a atualização do salário mínimo seja feita sem "chantagem" aos parceiros.

Em carta de resposta a associações que escreveram ao PSD, a que a Lusa teve hoje acesso, os sociais-democratas reiteram o apoio às apreciações parlamentares de BE e PCP que pedem a eliminação da redução da TSU em 1,25 pontos percentuais, e que vão ser votadas na quarta-feira.

"Ao não apoiar o Governo nesta chantagem reiterada sobre os parceiros sociais, o PSD contribui para libertar a concertação destes constrangimentos políticos e ainda para permitir que decisões futuras sobre a atualização do salário mínimo sejam realizadas em respeito pela negociação com os parceiros e sem necessidade de procurar medidas de compensação", referem os sociais-democratas.

Na missiva, dirigida a associações das áreas dos têxteis e vestuário, cerâmica e cristalaria, conservas de peixe, à AHRESP (Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal) e APFS (Associação Portuguesa de Facility Services), os sociais-democratas reiteram os argumentos contra a redução da TSU como forma de compensar a subida do Salário Mínimo Nacional (SMN) de 530 para 577 euros por a medida ter deixado de ser excecional e por não quererem ser "muleta" do Governo.

O PSD sublinha que "o SMN esteve congelado desde 2010 até 2014" e que, nessa altura, o Governo PSD/CDS negociou em concertação social um aumento do salário mínimo para 505 euros e que pressupunha "a redução da TSU em 0,75 pontos percentuais, por um período de 15 meses, suportada, na íntegra, pelo subsetor Estado".

"Pressupunha ainda o acordo, o que era fundamental, que as atualizações futuras do SMN tivessem em conta a inflação mas fossem acomodadas pela evolução da produtividade, de forma que as empresas pudessem suportar essas atualizações sem perda de competitividade e sem prejudicar o nível de emprego", refere a carta.

No entanto, acusam, o atual Governo PS desrespeitou este acordo e "fixou unilateralmente o salário mínimo nacional em 530 euros" em 2016, mantendo a compensação da redução da TSU em 0,75 pontos percentuais, e tenta em 2017 "repetir a estratégia", desta vez com uma maior redução da contribuição paga pelos empregadores.

"Transformando-se em regra, esta medida torna-se potencialmente danosa, porque incentiva os empregadores a contratar com o salário mínimo e provoca uma pressão sobre a política de rendimentos que agrava os restantes custos salariais sem 'desconto' da TSU, comprometendo a competitividade da economia", referem os sociais-democratas.

Por outro lado, o PSD defende que o SMN "não deve ser suportado pelos contribuintes, nem deve constituir fator de agravamento da sustentabilidade da Segurança Social, antes deve ser sustentado pelo crescimento da economia e da produtividade".

Por fim, os sociais-democratas reiteram que "o PSD não só não faz parte da maioria que suporta o Governo, como se encontra na oposição por decisão, não do eleitorado, mas do Partido Socialista, que lhe recusou qualquer apoio para poder governar".

"Nestas circunstâncias, ter o PSD a servir de 'muleta' ao Governo constituiria, além de tudo o resto, uma perversão das regras democráticas", conclui o PSD.

Lusa

  • Portugal inicia preparação para o Mundial sem Cristiano Ronaldo

    Rumo ao Mundial 2018

    A seleção portuguesa de futebol começa hoje a preparar a participação no Mundial2018, que arranca em 14 de junho, na Rússia, com um treino na Cidade do Futebol, em Oeiras, numa sessão em que são esperadas algumas ausências. O capitão Cristiano Ronaldo, que vai disputar no sábado a final da Liga dos Campeões com o Real Madrid, é baixa certa no arranque dos trabalhos, mas não deve ser o único.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta terça-feira realiza-se o funeral do antigo ministro António Arnaut na Figueira da Foz. Em Sintra está previsto o início do julgamento dos 17 agentes da PSP acusados de agredirem jovens da Cova da Moura, concelho da Amadora, no interior da esquadra de Alfragide. Em Oeiras, a seleção portuguesa de futebol começa hoje a preparar a participação no Mundial2018.

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20