sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Conflito na Ucrânia já matou mais de 6 mil pessoas

As Nações Unidas disseram hoje que mais de 6.000 pessoas já morreram no conflito separatista no leste da Ucrânia e que os recentes combates junto ao aeroporto de Donetsk e na cidade de Debáltsevo provocaram centenas de mortos.

© Baz Ratner / Reuters

Na última informação sobre a situação dos Direitos Humanos na Ucrânia, tornado público hoje em Genebra, o gabinete de Direitos Humanos da ONU diz que em 10 meses e meio de conflito entre as forças de Kiev e os rebeldes pró-russos foram contabilizados 5.809 mortos e 14.740 feridos.

O organismo acrescenta que o número de vítimas mortais está dependente das informações dos conflitos mais recentes, mas pode ser afirmado um número superior a 6.000 vítimas entre civis e militares.

Para a ONU "é imperativo que sejam cumpridos os acordos de Minsk" de forma a cessarem as hostilidades.

O relatório é elaborado a partir dos dados recolhidos por observadores no terreno e refere que o período entre dezembro e meados de fevereiro -- coincidente com o cessar-fogo -- foi o mais violento tendo morrido 1.012 pessoas e ficado feridas cerca de 3.800.

Lusa
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.