sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Sessenta e quatro militares ucranianos morreram desde instauração do cessar-fogo em fevereiro

Sessenta e quatro militares ucranianos morreram no leste separatista pró-russo da Ucrânia desde a instauração do mais recente cessar-fogo, a 15 de fevereiro, anunciou hoje o Presidente ucraniano, Petro Poroshenko.

© Marko Djurica / Reuters

"Sessenta e quatro militares morreram desde 15 de fevereiro", data da entrada em vigor da trégua decretada nos acordos de paz de Minsk, assinados após a mediação do Presidente francês, François Hollande, e da chanceler alemã, Angela Merkel, na presença do Presidente russo, Vladimir Putin.

 À anexação da península ucraniana da Crimeia pela Rússia, em março de 2014 - após três semanas de ocupação por forças russas, depois de um referendo que não foi reconhecido por Kiev e pela comunidade internacional - seguiu-se um conflito armado no leste da Ucrânia entre os separatistas pró-russos e o exército ucraniano, que já fez mais de 6.000 mortos em 11 meses.

 Os acordos de Minsk, assinados a 12 de fevereiro, previam também a retirada de armamento pesado da linha da frente, mas já hoje o comandante das tropas da NATO na Europa, general Philip Breedlove, denunciou a circulação contínua, na fronteira do sudeste da Ucrânia, que não está sob o controlo de Kiev, de "equipamentos, homens e dinheiro para apoiar as tropas russas e os combatentes separatistas pró-russos na Ucrânia".

 

Lusa

  • "O bom senso obriga a acordo para a estabilização do sistema financeiro"
    2:06

    Economia

    O Presidente da República disse esta quarta-feira que "o bom senso obriga a que todos estejam de acordo para a estabilização do sistema financeiro". Num aparente recado a Passos Coelho, Marcelo apelou a um consenso de regime e avisou que "não há prazer tático que justifique o desgaste" provocado pelas divisões atuais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.