sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Cimeira de hoje em Paris pretende reforçar processo de paz na Ucrânia

Os líderes da França, Alemanha, Rússia e Ucrânia reúnem-se hoje em Paris para debater o reforço do processo de paz na Ucrânia.

© Valentyn Ogirenko / Reuters

Apesar de o cessar-fogo continuar a ser globalmente respeitado desde o início de setembro entre as forças ucranianas e os rebeldes pró-russos da região leste da Ucrânia, ainda parece longe um acordo sobre uma solução política duradoura.

Esta semana, representantes de Kiev e dos combatentes separatistas russos assinaram um acordo decisivo sobre a retirada do seu arsenal de armas ligeiras da "linha de separação" que divide os territórios controlados pelos rebeldes no leste do restante território ucraniano.

A retirada das armas ligeiras, para além do acesso dos observadores internacionais às zonas rebeldes, será um dos temas em debate na reunião de hoje na capital francesa, que conta com a presença dos Presidentes francês, russo e ucraniano, François Hollande, Vladimir Putin e Petro Poroshenko, respetivamente, e da chanceler alemã, Angela Merkel.

"A retirada das armas (...) é um importante passo para garantir a segurança do cessar-fogo no leste da Ucrânia", considerou esta semana, em comunicado, o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Frank-Walter Steinmeier.

"No entanto, não é suficiente", acrescentou. "Muitos outros pontos do acordo [de Minsk II, assinado em fevereiro] ainda não foram aplicados. Espero que Kiev e Moscovo estejam preparados para trabalhar nessa direção", frisou na mesma altura o chefe da diplomacia alemã.

No âmbito do acordo Minsk II, o leste da Ucrânia deverá organizar eleições locais no final de 2015 e devolver ao governo de Kiev o controlo da fronteira com a Rússia.

O conflito armado entre os rebeldes separatistas pró-russos e as forças de Kiev já causou perto de 8.000 mortos desde o seu início em abril de 2014.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41