sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Fortuna do Presidente ucraniano sobe 20% apesar da crise económica

O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, é o único dos dez ucranianos mais ricos do país a ver aumentada a sua fortuna, apesar da promessa de vender as suas empresas e da crise económica no país, divulgou esta sexta-feira a imprensa local.

A fortuna de Petro Poroshenko é estimada pela revista Novoie Vremia em 979 milhões de dólares (895 milhões de euros).

A fortuna de Petro Poroshenko é estimada pela revista Novoie Vremia em 979 milhões de dólares (895 milhões de euros).

© Gleb Garanich / Reuters

A fortuna de Petro Poroshenko, empresário que lidera o "império do chocolate" na Ucrânia e que prometeu vender durante a campanha eleitoral das eleições de maio de 2014, é estimada pela revista Novoie Vremia em 979 milhões de dólares (895 milhões de euros), mais 20% do que no ano passado.

Este aumento, segundo a publicação ucraniana, permitiu a Poroshenko subir três lugares na lista dos mais ricos do país, ascendendo ao sexto posto.

O presidente ucraniano é proprietário da fábrica de chocolates Roshen, cujas lojas não param de multiplicar-se.

Apesar da promessa, Poroshenko acaboyu por nunca deixar a empresa, argumentando que a crise económica vigente não é uma boa altura para a vender.

Segundo a Novoie Vremia, os negócios "correm sobre rodas" para Poroshenko, que está também envolvido no setor bancário.

"O banco de investimento internacional do presidente aumentou os seus ativos em 84,8%, enquanto o sistema bancário do país se afundou, o que levou ao encerramento de 60 entidades bancárias", nota a revista.

A maioria pró-europeia no poder em Kiev prometeu atacar a corrupção que afeta o país em todas as áreas de atividade e níveis hierárquicos, criticando a influência dos oligarcas locais, que lideram os gangues poderosos constantemente em confronto.

Tendo como pano de fundo a profunda crise económica, agravada pelo mortífero conflito no leste separatista russo, todos os oligarcas viram as suas fortunas baixarem.

O mais afetado foi o número um da lista, Rinat Akhmetov, antigo tesoureiro do presidente pró-russo Viktor Yanukovitch, destituído após três meses de contestação pró-europeia, reprimida com violência.

A fortuna de Akhmetov, 49 anos, empresário ligado à indústria metalúrgica, cuja maior parte das fábricas se situa na zona de conflito no leste do país, diminuiu 56%, fixando-se nos 4,5 mil milhões de dólares (4,1 mil milhões de euros).

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.