sicnot

Perfil

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Crise na Ucrânia

Fortuna do Presidente ucraniano sobe 20% apesar da crise económica

O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, é o único dos dez ucranianos mais ricos do país a ver aumentada a sua fortuna, apesar da promessa de vender as suas empresas e da crise económica no país, divulgou esta sexta-feira a imprensa local.

A fortuna de Petro Poroshenko é estimada pela revista Novoie Vremia em 979 milhões de dólares (895 milhões de euros).

A fortuna de Petro Poroshenko é estimada pela revista Novoie Vremia em 979 milhões de dólares (895 milhões de euros).

© Gleb Garanich / Reuters

A fortuna de Petro Poroshenko, empresário que lidera o "império do chocolate" na Ucrânia e que prometeu vender durante a campanha eleitoral das eleições de maio de 2014, é estimada pela revista Novoie Vremia em 979 milhões de dólares (895 milhões de euros), mais 20% do que no ano passado.

Este aumento, segundo a publicação ucraniana, permitiu a Poroshenko subir três lugares na lista dos mais ricos do país, ascendendo ao sexto posto.

O presidente ucraniano é proprietário da fábrica de chocolates Roshen, cujas lojas não param de multiplicar-se.

Apesar da promessa, Poroshenko acaboyu por nunca deixar a empresa, argumentando que a crise económica vigente não é uma boa altura para a vender.

Segundo a Novoie Vremia, os negócios "correm sobre rodas" para Poroshenko, que está também envolvido no setor bancário.

"O banco de investimento internacional do presidente aumentou os seus ativos em 84,8%, enquanto o sistema bancário do país se afundou, o que levou ao encerramento de 60 entidades bancárias", nota a revista.

A maioria pró-europeia no poder em Kiev prometeu atacar a corrupção que afeta o país em todas as áreas de atividade e níveis hierárquicos, criticando a influência dos oligarcas locais, que lideram os gangues poderosos constantemente em confronto.

Tendo como pano de fundo a profunda crise económica, agravada pelo mortífero conflito no leste separatista russo, todos os oligarcas viram as suas fortunas baixarem.

O mais afetado foi o número um da lista, Rinat Akhmetov, antigo tesoureiro do presidente pró-russo Viktor Yanukovitch, destituído após três meses de contestação pró-europeia, reprimida com violência.

A fortuna de Akhmetov, 49 anos, empresário ligado à indústria metalúrgica, cuja maior parte das fábricas se situa na zona de conflito no leste do país, diminuiu 56%, fixando-se nos 4,5 mil milhões de dólares (4,1 mil milhões de euros).

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC