sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

64 mil pessoas formam "brigadas" para combater o vírus no Equador

Cerca de 64 mil pessoas formam "brigadas" de combate ao vírus Zika no Equador, onde foram registados 22 casos e se investigam outros 67 suspeitos, informou, esta segunda-feira, o Ministério da Saúde Pública.

64 mil pessoas formam "brigadas" para combater o vírus no Equador

64 mil pessoas formam "brigadas" para combater o vírus no Equador

© Mariana Bazo / Reuters

As Forças Armadas juntaram-se esta segunda-feira às atividades programadas no país para combater o mosquito "aedes aegypti", transmissor do Zika, assim como da dengue e da febre chikunguña.

Segundo a agência noticiosa Andes, 700 militares vão trabalhar na província de Guayas, a par com as "brigadas", trabalho que começou na segunda-feira em Guayaquil, no sudoeste, com patrulhas pelas zonas consideradas de risco, onde efetuarão fumigações e informarão os habitantes sobre a eliminação de mosquitos, uso de repelentes e outras ações de cariz preventivo.

As autoridades do Equador confirmaram esta segunda-feira um caso de uma grávida que sofre do vírus Zika, no município de Quevedo, província de Los Ríos (centro-oeste), indicando que a mulher superou o momento de maior risco para o bebé, dado que se encontra de 23 semanas e a etapa considerada crítica é até às 12 semanas de gestação.

o Comité de emergência da Organização Mundial de Saúde (OMS) decidiu na segunda-feira que os casos de microcefalia e de desordens neurológicas surgidas no Brasil constituem uma emergência sanitária de alcance internacional, mas não o vírus Zika, por não ter sido comprovada relação entre ambos.

A OMS confirmou que, até à data, foram detetados casos em 25 países e territórios das Américas.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.