sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Guia (não alarmista) sobre o vírus Zika

O Comité de Emergência da Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o vírus Zika, já presente em 25 países da América Latina, África e Ásia, como uma emergência de saúde pública de importância internacional. Alertou que a epidemia poderá afetar entre três a quatro milhões de pessoas no continente americano. O Brasil e a Colômbia são os países onde se registam mais casos de infetados.

ESTEBAN BIBA

O que é o vírus Zika?
O vírus é transmitido aos seres humanos pela picada de mosquitos infetados: o mosquito Aedes aegypti (o mesmo do dengue, da febre amarela e da chikungunya).
Está associado a complicações neurológicas e malformações em fetos, mas ainda não foi comprovada a relação entre a doença e a microcefalia.
O vírus Zika retira o seu nome de uma floresta no Uganda, onde foi sinalizado pela primeira vez em 1947.

Transmissão por via sexual
Os Estados Unidos afirmaram a 2 de fevereiro que o vírus Zika se transmite sexualmente: um doente infetado depois de ter tido relações sexuais com uma pessoa doente. Só há mais dois casos registados no mundo do vírus detetado no sémen.
A DGS diz que transmissão por via sexual "ainda não é motivo de preocupação".

Como se manifesta a doença?
Manifesta-se com sintomas semelhantes à gripe: febre, dor de cabeça e dores musculares, com erupções cutâneas. febre, erupções cutâneas, dores nas articulações, conjuntivite, dores de cabeça e musculares.

O que é a microcefalia?
A microcefalia é um distúrbio de desenvolvimento fetal que causa o perímetro do crânio infantil mais baixo do que o normal, o que provoca atrasos no desenvolvimento mental.
O Ministério da Saúde do Brasil revelou a 2 de fevereiro que foram confirmados 404 casos de microcefalia entre outubro e janeiro no país e que 3.670 casos suspeitos estão ainda em análise.
A relação entre a infeção pelo vírus Zika e a microcefalia ainda não está provada, mas as grávidas são aconselhadas a não viajar para países onde existe o mosquito.

Onde há casos da doença?
Foram detetados casos de infeção com vírus Zika em 25 países na América Latina, África e Ásia.
O Brasil é o país mais atingido pela epidemia, com 1,5 milhões de casos, segundo a OMS.
Na Europa e na América do Norte as temperaturas frias que atualmente se registam impedem a sobrevivência do mosquito. No entanto, a chegada da primavera trará um aumento do risco, porque os mosquitos vão encontrar melhores zonas de reprodução em climas mais cálidos.

Há casos em Portugal?
O mosquito Aedes aegypti só existe na Madeira. Há sete anos que a Direção-Geral da Saúde e o Instituto Ricardo Jorge têm um programa de vigilância de mosquitos.
Há seis casos confirmados da doença mas que foi contraída noutros países - cinco no Brasil e um na Colômbia.

Existe vacina contra o Zika?
Ainda não existe vacina. Está a ser desenvolvida pelo Canadá, por um consórcio entre Brasil e EUA e por uma farmacêutica francesa.

Como prevenir a doença?
O método mais eficaz é evitar ser picado pelo mosquito, usando repelentes, vestir roupas com mangas compridas e calças, dormir sob redes mosquiteiras.
Combater os focos de mosquitos tem sido uma das prioridades dos países afetados: águas estagnadas, seja num vaso, em depósitos de resíduos ou em tampas de bebidas.


Para tirar qualquer dúvida sobre a doença, a Direção-Geral da Saúde tem o endereço de mail zika@dgs.pt.

  • Hoje joga Portugal (mas antes há um Uruguai-Rússia em direto na SIC)

    Mundial 2018 / O Mundial

    Começa a última jornada da fase de grupos do Mundial, com quatro jogos por dia. Às 15:00, numa partida transmitida em direto na SIC, a anfitriã Rússia e o Uruguai resolvem qual poderá ser o adversário de Portugal nos oitavos de final. Isto, dependendo claro da prestação da seleção nacional frente ao Irão, ao fim da tarde, uma vez que a qualificação não está garantida (e pode até depender do resultado do Espanha-Marrocos).

  • Comandante da Proteção Civil confiante nos meios de combate aos incêndios
    1:56

    País

    Depois das falhas apontadas ao sistema de comunicações SIRESP durante os incêndios do ano passado, o cComandante operacional da Proteção Civil diz que não há meios de comunicação infalíveis. Duarte Costa acredita que este verão será mais calmo do que anterior e contabiliza já mais de 2000 incêndios desde maio que não foram notícia.

  • Líderes europeus assinalam progressos para alcançar acordo sobre migrações
    2:02