sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Vaticano diz que aborto é uma resposta ilegítima ao Zika

A Igreja Católica argumenta que a interrupção da gravidez iria confirmar o fracasso da comunidade internacional para travar o Zika. As mulheres grávidas expostas ao vírus estão sujeitas a dar à luz bebés com defeitos cerebrais graves, mas o Vaticano diz que estas não devem ser autorizadas a abortar.

© Ueslei Marcelino / Reuters

A Igreja Católica reafirmou a sua posição em relação ao aborto em todas as circunstâncias. Na América do Sul são muitas as mulheres que tentam interromper a gravidez com medo que os seus futuros filhos possam ter microcefalia.

"Não se trata apenas do aumento do acesso ao aborto e das drogas utilizadas para abortar, trata-se de uma resposta ilegítima a esta crise, terminar com a vida de uma criança não é algo preventivo", disse o representante da Santa Sé na ONU, durante o lançamento de uma campanha de 50 milhões de euros pela Organização Mundial da Saúde para combater a propagação do vírus Zika.

Estima-se que cerca de 4.000 bebés tenham nascido com microcefalia, situação que tem sido associada à infeção das mães com o vírus Zika por picadas de mosquito.

"Deve-se dizer que o diagnóstico de microcefalia numa criança não significa uma sentença de morte", referiu o arcebispo Bernardito Auza, observador permanente da Santa Sé na ONU. Se assim fosse seria "a confirmação de um fracasso da comunidade internacional para travar a propagação da doença", acrescentou.

O aborto é proibido ou altamente restrito em grande parte dos países afetados pelo Zika. No início deste mês, a Igreja Católica no Brasil manifestou-se contra a alteração que permite as mulheres infetadas com o vírus abortar.

Os governos aconselharam as mulheres a adiar a gravidez por um período de dois anos, enquanto os organismos internacionais pediram uma suavização das leis que proíbem o aborto.

  • OMS lança plano de combate ao ZIka
    1:45

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde lançou um plano de combate ao Zika no valor de 50 milhões de euros. A resposta visa combater e controlar a epidemia sobretudo nos países mais afetados. No Brasil são cada vez mais os bebés que nascem com microcefalia associada ao vírus Zika. O número de casos confirmados ultrapassa já o meio milhar.

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.