sicnot

Perfil

Vírus Zika

Vírus Zika

Vírus Zika

Mulheres infetadas com o vírus Zika devem continuar a amamentar, defende OMS

As mulheres infetadas com o vírus Zika devem continuar a amamentar os seus bebés dado não existirem provas sobre um risco de transmissão, informou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

© Ricardo Moraes / Reuters

"Considerando as provas existentes, os benefícios do aleitamento materno para a criança e para a mãe ultrapassam qualquer risco de transmissão do vírus Zika através do leite materno", considera a OMS nas recomendações dirigidas às autoridades dos países afetados pela epidemia.

O Zika, transmitido por um mosquito, é suspeito de provocar a microcefalia (má formação do crânio que prejudica o desenvolvimento intelectual) nos bebés e a síndroma de Guillain-Barré, doença neurológica que pode causar paralisia irreversível e a morte.

A OMS recordou que o vírus foi detetado no leite materno de duas mães contaminadas, mas sublinhou que "não há atualmente qualquer prova de uma transmissão de Ziza a crianças através do aleitamento materno".

A epidemia de Zika, que se desenvolve sobretudo na América Latina, "pode piorar antes de melhorar", alertou na quarta-feira no Rio de Janeiro a diretora-geral da OMS, Margaret Chan.

O Brasil conta já com mais de um milhão e meio de casos desde 2015 e a agência especializada em saúde das Nações Unidas espera uma propagação "explosiva" no continente americano, com três a quatro milhões de casos este ano.

Atualmente não existe qualquer vacina ou tratamento contra o vírus.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.