sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Operações de busca de destroços do voo MH370 começam na ilha de Reunião

As operações de busca francesas começaram esta sexta-feira ao largo da ilha de Reunião, ilha francesa no oceano Índico, para tentar encontrar mais destroços do voo MH370, desaparecido em março do ano passado.

"As condições não são ótimas para um voo ou para a mobilização de um navio da marinha", disseram fontes próximas das autoridades da Reunião.

"As condições não são ótimas para um voo ou para a mobilização de um navio da marinha", disseram fontes próximas das autoridades da Reunião.

© Jacky Naegelen / Reuters

Um avião militar do tipo CASA (avião de carga tático militar), pertencente ao destacamento aéreo 181, partiu a meio do dia da base militar de Sainte-Marie (norte da Reunião) "para efetuar buscas em torno das costas da ilha", disse à agência noticiosa francesa AFP a comandante Aline Simon.

As autoridades francesas tinham anunciado na quinta-feira o destacamento "de meios aéreos e marítimos suplementares para detetar a eventual presença de novos destroços", na sequência da identificação de um fragmento da asa do Boeing 777 do voo MH370 da Malásia Airlines, desaparecido a 8 de março de 2014 com 239 pessoas a bordo.

"Patrulhas a pé, helicópteros de buscas e brigadas naúticas" também vão ser mobilizadas, indicou o governo francês.

As condições meteorológicas dificultaram o lançamento da operação esta manhã, devido à chuva no norte e leste da ilha.

"As condições não são ótimas para um voo ou para a mobilização de um navio da marinha", disseram fontes próximas das autoridades da Reunião.

O município de Saint-André, zona onde foram encontrados o fragmento da asa e pedaços de malas, a 29 de julho, anunciou que "equipas municipais e associativas" iam efetuar "uma busca minuciosa" no litoral.

As autoridades da ilha vizinha das Maurícias mantiveram as buscas, iniciadas na segunda-feira a pedido de Kuala Lumpur.

Um avião utilizado pela polícia realizou duas saídas na quinta-feira. Uma terceira saída foi efetuada por um avião "Defender", usado em buscas marítimas, disse uma porta-voz da polícia maurícia.

O perímetro potencial das buscas é imenso, e as equipas francesas deverão concentrar-se na área da Corrente Equatorial Sul (CES), que circula entre a Austrália e a Indonésia, em direção a Madagáscar.

De acordo com vários oceanógrafos, esta corrente teria levado o 'flap' do MH370 até à Reunião.

Lusa

  • Familiares das vítimas do voo MH370 querem mais respostas
    1:58

    Voo MH370

    Os familiares das vítimas do voo MH370 da Malaysia Airlines querem ainda mais respostas e perceber o que realmente se passou. Receberam com estranheza a confirmação de que os destroços encontrados na ilha da Reunião são do avião desaparecido. A maioria ainda tem esperança de que as autoridades possam encontrar mais do que os destroços do aparelho e anseiam por fazer o luto.

  • Encontrados novos destroços que podem pertencer ao voo MH370
    1:52

    Voo MH370

    Novos destroços foram encontrados no Índico, que podem pertencer ao avião das linhas aéreas da Malásia, que desapareceu no ano passado. A informação foi avançada pelo ministro dos Transportes do país, um dia depois de ter sido confirmado que o fragmento da asa recuperado pertencia mesmo ao Boeing 777 do voo MH 370. A Austrália, que lidera as buscas, está confiante de que as operações estão a decorrer no lugar certo e acredita agora estar mais perto de resolver o mistério.

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.