sicnot

Perfil

Avião desaparecido

Avião desaparecido

Voo MH370

Boeing alvo de ação judicial nos EUA devido ao desaparecimento do MH370

A família de um passageiro do avião da Malaysia Airlines desparecido faz hoje dois anos apresentou uma ação judicial contra a Boeing, naquele que se acredita ser o primeiro processo nos EUA relativo ao caso a visar a empresa.

© Olivia Harris / Reuters

A ação foi interposta, na semana passada, em Chicago, onde fica a sede da Boeing, em nome de um passageiro do MH370 e cidadão norte-americano Philip Wood.

Na ação alega-se que o Boeing 777 operado pela Malaysia Airlines era defeituoso, pedindo-se que o tribunal determine uma indemnização, de acordo com uma cópia da queixa, citada hoje pela agência AFP.

O processo contra a Boeing refere que o desaparecimento do avião deve-se em parte à falta de "tecnologias alternativas razoáveis já disponíveis que teriam permitido que a localização precisa do avião da Boeing fosse monitorizada em tempo real em qualquer lugar do planeta".

Também refere que o fracasso em encontrar o local onde a aeronave se despenhou indica que a Boeing equipou as caixas negras com transmissores de sinais "ineficazes".

"A conclusão razoável que se pode retirar de todas as provas disponíveis é a de que o desaparecimento do voo MH370 foi resultado de um ou mais defeitos no fabrico ou conceção do avião da Boeing", refere a queixa.

Hoje cumprem-se dois anos desde o desaparecimento do avião da Malaysia Airlines que fazia a rota entre Kuala Lumpur e Pequim, que transportava 239 pessoas a bordo.

O segundo aniversário é o prazo final para a apresentação de processos na justiça contra a companhia aérea e nos últimos dias deram entrada mais de 100 ações em tribunais nos Estados Unidos, Malásia, China ou Austrália.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.