sicnot

Perfil

FB Instant Articles

Salom morre após acidente nos treinos do GP da Catalunha

O espanhol Luis Salom morreu hoje, aos 24 anos, em consequência de um acidente sofrido nos treinos livres do Grande Prémio da Catalunha de Moto2, informou hoje o organizador da sétima prova do Mundial de motociclismo de velocidade.

© Gustau Nacarino / Reuters

"Na sequência do acidente sofrido durante a segunda sessão de treinos livres de Moto2, no circuito da Catalunha, é com grande pesar que informamos o falecimento de Luis Salom", indica o comunicado publicado no sítio oficial da competição na Internet.

A sessão, na qual participou o piloto português Miguel Oliveira, que obteve o 10.º tempo combinado nos dois treinos, foi suspensa a 24 minutos do fim, depois do acidente de Salom, que foi assistido pelos médicos presentes no circuito, tendo sido também acionado o helicóptero.

"Devido à gravidade do seu estado clínico, foi decidido transportar Salom de ambulância para o Hospital Central da Catalunha. Foi operado de imediato, mas, não obstante todos os esforços realizados pela equipa médica, morreu às 16:55 locais", indica o comunicado.

Salom, que pilotava uma Kalex, estreou-se no Mundial de motociclismo de velocidade em 2009, na categoria de 125cc, tendo como melhor resultado no campeonato de Moto3 o segundo lugar obtido em 2012.

Lusa

  • Governo lança linha de crédito de 100 M€ para empresas situadas no interior

    País

    As políticas de valorização do interior, tema escolhido pelo primeiro-ministro, António Costa, abriram o debate quinzenal na Assembleia da República. O primeiro-ministro anunciou que o Governo vai lançar uma linha de crédito de 100 milhões de euros destinada exclusivamente a pequenas e microempresas empresas situadas no interior, a par da reprogramação do Portugal 20/20.

    Direto

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.