Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
0:25

Desconto da tarifa social de eletricidade sobe de 20% para 34%

2
2:26

Reestruturação do setor das águas prevê subida de preço no litoral

3
1:35

Fenprof diz que é urgente uma reorganização do primeiro ciclo do ensino básico

4
2:36

Adesão à greve dos funcionários judiciais em Aveiro ronda os 80%, refere o sindicato

5
2:25

Trabalhadores das autarquias em protesto em Lisboa

6
0:58

PSD vai apresentar ao Governo recomendações sobre incentivos à natalidade

7
1:44

Marinho e Pinto diz que Seguro dá mais garantias de honestidade política

8
1:05

GNR stripper acusado do crime de comércio de material de guerra

9
1:33

Banif e BCP fazem pagamentos de dívidas ao Estado

10
1:22

Erupção de vulcão no Monte Ontake já fez 47 mortos

11
1:19

Norte-americano infetado com Ébola em estado crítico num Hospital do Texas

12
1:45

Rio Ave defronta Aalborg na Liga Europa

13
1:36

José Couceiro acredita que Estoril-Praia vai conquistar primeira vitória na Liga Europa

16:15 18.10.2011

Mais de 1,8 milhões de órfãos em "situação difícil" em Moçambique, alerta UNICEF

Em Moçambique existem mais de 1,8 milhões de órfãos, dos quais 600 mil cujos pais foram vítimas de VIH/SIDA, estima o Fundo da ONU para a Infância (UNICEF), que considera "urgente" o apoio social aos menores.

O número de órfãos de Moçambique foi hoje avançado pela UNICEF durante a cerimónia de abertura do Seminário Nacional sobre Cuidados Alternativos, que decorre em Maputo durante os próximos 15 dias.

"A maior parte destas crianças vive em situação de vulnerabilidade. No país, 15 mil crianças vivem em 155 centros por tempo indeterminado. A maioria dos centros carece de condições mínimas de higiene e segurança", disse Jesper Morch, representante da UNICEF.

No seu discurso, a ministra da Mulher e Ação Social de Moçambique, Iolinda Cintura, afirmou que "nos últimos anos, vai aumentando, dia após dia, o número de crianças vivendo em situação difícil", devido a problemas de orfandade e pobreza.

"Para garantirmos assistência social às crianças, o Governo tem privilegiado o atendimento na família e na comunidade, deixando o atendimento institucional como última alternativa para as situações que não encontram acolhimento na família própria ou substituta", disse a ministra.

Nos últimos anos, o Ministério da Mulher e Ação Social (MMAS) moçambicano identificou mais de 31 mil crianças em situação de vulnerabilidade e encaminhou para famílias próprias ou substitutas cerca de 8.200.

"Ao nível de atendimento institucional, funcionam no nosso país 175 centros de acolhimento e infantários, albergando mais de 31.971 crianças em situação difícil", revelou Iolanda Cintura.

A ministra afirmou ainda que as crianças que estão em Centros de Acolhimento podem "ver o seu futuro comprometido".

"No Centro de Acolhimento, as crianças encontram um lar, um abrigo, mas não têm afeto, o carinho, e o convívio familiar, ambiente necessário e imprescindível para a sociabilização da criança", disse.

O Seminário Nacional Sobre Cuidados Alternativos tem como objetivo a uniformização de intervenções no âmbito da integração de crianças e é destinado a técnicos dos serviços sociais moçambicanos.

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Mundo

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .