Última Edição

0
0:08

Última Edição

1
0:53

Governo garante que imposto sobre o petróleo não tem impacto nas contas das empresas

2
2:14

Impostos foram alterados quase 500 vezes nos últimos 25 anos

3
1:47

Autoridade Nacional de Proteção Civil condenada a pagar à Heliportugal

4
1:33

Autoridades investigam morte de homem que terá sido atingido por meteorito

5
1:17

Mais de 100 feridos nos protestos da primeira noite do ano novo chinês em Hong Kong

6
3:11

Bélgica, Luxemburgo e Holanda são os países na Europa que permitem a eutanásia

7
2:12

Portugal e Espanha entre os países com mais vítimas em acidentes ferroviários

8
2:14

Dez mortos e mais de 100 feridos numa colisão entre comboios na Alemanha

9
2:05

Português nos quartos-de-final do Got Talent na Dinamarca

16:15 18.10.2011

Mais de 1,8 milhões de órfãos em "situação difícil" em Moçambique, alerta UNICEF

Em Moçambique existem mais de 1,8 milhões de órfãos, dos quais 600 mil cujos pais foram vítimas de VIH/SIDA, estima o Fundo da ONU para a Infância (UNICEF), que considera "urgente" o apoio social aos menores.

O número de órfãos de Moçambique foi hoje avançado pela UNICEF durante a cerimónia de abertura do Seminário Nacional sobre Cuidados Alternativos, que decorre em Maputo durante os próximos 15 dias.

"A maior parte destas crianças vive em situação de vulnerabilidade. No país, 15 mil crianças vivem em 155 centros por tempo indeterminado. A maioria dos centros carece de condições mínimas de higiene e segurança", disse Jesper Morch, representante da UNICEF.

No seu discurso, a ministra da Mulher e Ação Social de Moçambique, Iolinda Cintura, afirmou que "nos últimos anos, vai aumentando, dia após dia, o número de crianças vivendo em situação difícil", devido a problemas de orfandade e pobreza.

"Para garantirmos assistência social às crianças, o Governo tem privilegiado o atendimento na família e na comunidade, deixando o atendimento institucional como última alternativa para as situações que não encontram acolhimento na família própria ou substituta", disse a ministra.

Nos últimos anos, o Ministério da Mulher e Ação Social (MMAS) moçambicano identificou mais de 31 mil crianças em situação de vulnerabilidade e encaminhou para famílias próprias ou substitutas cerca de 8.200.

"Ao nível de atendimento institucional, funcionam no nosso país 175 centros de acolhimento e infantários, albergando mais de 31.971 crianças em situação difícil", revelou Iolanda Cintura.

A ministra afirmou ainda que as crianças que estão em Centros de Acolhimento podem "ver o seu futuro comprometido".

"No Centro de Acolhimento, as crianças encontram um lar, um abrigo, mas não têm afeto, o carinho, e o convívio familiar, ambiente necessário e imprescindível para a sociabilização da criança", disse.

O Seminário Nacional Sobre Cuidados Alternativos tem como objetivo a uniformização de intervenções no âmbito da integração de crianças e é destinado a técnicos dos serviços sociais moçambicanos.

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Mundo

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
00:29
Colisão de comboios na Alemanha faz 10 mortos e 81 feridos
00:13
Fundadores da União Europeia admitem saída do Reino Unido
00:10
Filme de realizador português apresentado hoje na Tate Britain
00:06
Alterações à lei da IVG reconfirmadas hoje no Parlamento
00:06
Adoção por casais homossexuais reconfirmada hoje no Parlamento
23:52
Cortejo Trapalhão leva milhares de pessoas às ruas do Funchal
23:43
Carnaval de Sesimbra animado por 1.300 figurantes
23:41
Maicon afastado do plantel do FC Porto
23:25
TAP garante continuidade do voo da noite Lisboa/Porto durante o verão
23:24
Turquia chama embaixador dos EUA depois de declarações sobre curdos
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .