sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 100 mil pessoas refugiadas do Darfur vivem em "condições medonhas", denuncia ONU

Mais de 100 mil pessoas foram deslocadas ou severamente afetadas pelos confrontos ocorridos no início de janeiro pelo controlo das minas de ouro no norte do Darfur e vivem hoje "em condições medonhas", revelou a ONU na quinta-feira.

© Handout . / Reuters

Em meados de janeiro, a Organização das Nações Unidas (ONU) revelou  a ocorrência de combates, iniciados em 05 de janeiro, entre duas tribos,  pelo controlo das minas de ouro, que causaram cerca de cem mortos na região  sudanesa de Jebel Amir. 

Na ocasião, informa a agência noticiosa AFP, a ONU deu uma primeira  estimativa de 70 mil deslocados.  

Dezenas de milhares de pessoas refugiaram-se em escolas e instalações  governamentais, adiantou na quinta-feira fonte da agência da ONU para a  coordenação dos assuntos humanitários (OCHA). 

Muitos vivem "em condições medonhas", acrescentou a mesma fonte, que  especificou que 75 mil estão na província do El-Sireaf, segundo os números  oficiais da comissão governamental para a ajuda humanitária. 

Nesta província, as escolas e vários serviços governamentais estão encerrados  "devido ao número importante de pessoas deslocadas que aí se refugiaram",  afirmou o governador da província, citado pela OCHA. 

"Numerosos deslocados vieram acompanhados do seu gado, o que aumentou  de forma significativa a pressão sobre os pastos", relatou a agência. 

As condições e dificuldade de alimentação do gado conduziram à morte  de vários animais, cujas carcaças "estão abandonadas, sem serem enterradas,  o que coloca um sério risco sanitário", ainda segundo o serviço da ONU.

A ONU e os seus parceiros entregaram em El-Sireaf mais de 600 toneladas  de material de socorro, incluindo roupa e alimentação, para mais de 60 mil  pessoas. 

Mas o transporte rápido da ajuda para os afetados é dificultado, tanto  pela sua dispersão, como pela sua quantidade, para além do banditismo, violências  tribais e confrontos entre rebeldes e exército sudanês, que são fenómenos  diários no Darfur.

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.