Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
6:48

Primeiro-ministro canadiano garante que "não haverá porto seguro" para responsáveis pelos tiroteios

2
2:31

Sondagens no Brasil continuam a registar empate técnico entre os dois candidatos

3
1:21

Jesus admite má entrada do Benfica frente ao Mónaco

4
3:12

Governo luxemburguês diz que emigrar para o país não garante emprego

5
1:52

PS defende que Esquerda e Direita estão a bloquear discussão sobre dívida portuguesa

6
1:26

Novo presidente da PT garante que a empresa não vai ser vendida a curto prazo

7
1:40

Fernando Ulrich admite interesse na compra do Novo Banco

8
1:41

Defesa quer culpa diminuída para homem acusado de matar ex-mulher

9
0:51

Arguidos confessam assalto a ourivesaria em Aveiro

10:34 19.08.2014

Cientistas estudam método para diagnosticar 13 tipos de cancro através de teste sanguíneo

Reuters

Investigadores japoneses começaram a desenvolver  um método para diagnosticar 13 dos tipos de cancro mais comuns através de  uma análise ao sangue que, segundo os cientistas, seria "o primeiro sistema  de deteção de alta precisão do mundo". 

O grupo de investigadores, formado pelo Centro Nacional de Cancro (CNC)  do Japão, pelo Centro de Desenvolvimento de Novas Tecnologias e Indústrias  (NEDO), universidades e sete empresas, aspira ter disponível o novo sistema  num prazo de cinco anos, de acordo com informações divulgadas hoje por estas  instituições num comunicado conjunto citado pela agência Efe. 

O projeto conta com um orçamento de 7.900 milhões de ienes (57 milhões  de euros), financiados pelo NEDO, um organismo científico independente.

O seu objetivo passa por diagnosticar designadamente os cancros do estomago,  esófago, pulmão, fígado, vesícula biliar, pâncreas, cólon, ovários, próstata,  bexiga e mama. 

Este seria "o primeiro sistema de diagnóstico de alta precisão do mundo"  para o cancro, afirma na mesma nota o presidente do CNC, Tomomitsu Hotta,  assinalando que o método permitiria aumentar a esperança de vida dos pacientes.

Simultaneamente, o NEDO trabalhará no desenvolvimento de um sistema  idêntico para o Alzheimer, segundo o consórcio de investigadores. 

 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Mundo

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .