sicnot

Perfil

Mundo

Irmãos Kouachi estavam "há anos" na lista negra norte-americana

Os dois suspeitos do ataque ao jornal satírico francês Charlie Hebdo na quarta-feira estavam "há anos" na lista negra de terrorismo efetuada pelos Estados Unidos, segundo um responsável norte-americano das forças da ordem.

Cherif Kouachi, 32, e o irmão Said Kouachi, 34, são os dois supeitos procurados pela polícia

Cherif Kouachi, 32, e o irmão Said Kouachi, 34, são os dois supeitos procurados pela polícia

FRENCH POLICE / HANDOUT

Citado pela agência France-Presse, o responsável, sob anonimato, indicou que os irmãos Chérif e Saïd Kouachi figuravam na "lista de vigilância há anos" e da qual constam suspeitos de terrorismo.

Depois do ataque que provocou 12 mortos, os dois homens estão a ser procurados pela polícia francesa no norte do país.

Um outro alto responsável norte-americano acrescentou ao jornal New York Times que Saïd treinou durante "alguns meses" com armas de combate com um membro da Al-Qaida no Iemen, em 2011.

Na manhã de quarta-feira, três homens vestidos de preto, encapuzados e armados atacaram a sede do jornal Charlie Hebdo, no centro de Paris, provocando 12 mortos (10 vítimas mortais entre jornalistas e cartoonistas e dois polícias) e 11 feridos, quatro dos quais em estado grave.

Um dos alegados autores, Hamyd Mourad, de 18 anos, já se entregou às autoridades e os outros dois suspeitos, os irmãos Said Kouachi e Cherif Kouachi, de 32 e 34 anos, continuam a monte. 

Entre as vítimas do ataque estão os cartoonistas Stéphane "Charb" Charbonnier, 47 anos e diretor da publicação, Jean "Cabu" Cabut, 76 anos, Georges Wolinksi, 80 anos, e Verlhac "Tignous" Bernard, 58 anos.

Criado em 1992 pelo escritor e jornalista François Cavanna, o semanário Charlie Hebdo tornou-se conhecido em 2006 quando decidiu voltar a publicar 'cartoons' do profeta Maomé, inicialmente publicados no diário dinamarquês Jyllands-Posten e que provocaram forte polémica em vários países muçulmanos.

O ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, já deu conta da detenção de nove pessoas das relações dos dois suspeitos, indicando que um deles, Said Kouachi, tinha sido "reconhecido formalmente numa foto como agressor" e que várias buscas tinham sido feitas no seu domicílio de Reims, no nordeste do país. 

O seu irmão, Chérif, que foi condenado em 2008 por envolvimento no envio de combatentes para as fileiras da Al-Qaida no Iraque, foi descrito pelos seus conhecidos como "violentamente antissemita", adiantou o ministro. 

Os dois irmãos, que já estavam referenciados nos serviços antiterrorismo, foram detetados na manhã de hoje pelo gerente de uma estação de serviço a sul de uma pequena vila da região, Villers-Cotterêts.

  • Ex-diretor do Fisco desmente Núncio sobre transferências para offshores

    Economia

    O ex-diretor geral da Autoridade Tributária, José de Azevedo Pereira, acusou esta sexta-feira o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, de não ter autorizado a divulgação das polémicas transferências para paraísos fiscais, isto depois do antigo governante ter dito que a decisão pela não publicação tinha sido da responsabilidade do Fisco.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.