sicnot

Perfil

Mundo

'Jihadi John' disse pensar em suicídio em 2010 escreve imprensa

 O homem que se estima ser o carrasco do Estado Islâmico disse em 2010 a um jornalista que a vigilância a que foi sujeito pelos serviços secretos britânicos o fizeram pensar em suicídio, segundo o Mail on Sunday.

Identificado pela imprensa e por peritos como o homem que aparece em vários vídeos de decapitações de reféns ocidentais publicadas pelo Estado Islâmico (EI), Mohammed Emwazi escreveu em 2010, num 'email' a um jornalista do Mail On Sunday publicado no sábado pelo jornal, que ele se sentia "como um morto vivo" devido a essa pressão. 


O grupo de direitos humanos Cage, que tinha estado em contato com Emwazi, pós-graduado em informática e nascido no Kuweit, antes de ele ter deixado a Grã-Bretanha, disse que os serviços secretos internos britânicos (MI5) já o tinham referenciado desde pelo menos 2009 que essa pressão contribuiu para a sua radicalização. De acordo com a organização Cage, o MI6, tentou, sem sucesso, recrutá-lo.


O primeiro-ministro britânico, David Cameron, e um antigo chefe dos serviços secretos externos britânicos (MI6) rejeitaram esta ideia, e o autarca de Londres, Boris Johnson, acusou a Cage de "apologia do terrorismo".


No seu 'email' para o jornalista Robert Verkaik, datado de 14 de dezembro de 2010, Mohammed Emwazi conta que vendeu o seu computador pessoal na Internet a alguém que, segundo ele, revelou mais tarde pertencer aos serviços secretos britânicos.


"Por vezes sinto-me como um morto vivo. Eu não tenho medo que eles me matem. Tenho mais medo de um dia tomar o máximo de comprimidos que conseguir para poder dormir para sempre! Eu só quero escapar a esta gente!!!", escreveu o jovem, segundo o Mail on Sunday.


Mohammed Emwazi nasceu no Koweit e deixou o país aos seis anos de idade quando a sua família se instalou no oeste de Londres. 'Jihadi John' completou a escola secundária na capital britânica e estudou na Universidade de Westminster, partindo para a Síria em 2012 ou 2013.


Segundo a imprensa, Mohammed Emwazi tinha contactos com os responsáveis de atentados falhados em 2005 nos transportes públicos de Londres, duas semanas depois de atentados suicidas terem causado 52 mortos na capital. 


Estas revelações aumentaram a pressão sobre as agências de segurança e inteligência britânicas para explicarem as razões por que não tomaram medidas contra Emwazi antes da sua partida para a Síria. 


Cameron defendeu na sexta-feira a ação dos serviços. O primeiro-ministro britânico disse que a toda a hora os serviços de segurança têm de fazer "julgamentos incrivelmente difíceis", e que na sua opinião "eles fazem muito bons julgamentos". 


Lusa
  • Identificado Jihadista Jonh

    Daesh

    Terá sido identificado o homem que, vestido de preto e de faca na mão, foi mostrado ao mundo como sendo o responsável pela decapitação de 3 cidadãos norte americanos e dois britânicos raptados e mortos pelo auto proclamado estado islâmico.

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas.

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Oposição alarga protesto e anuncia "tomada da Venezuela"

    Mundo

    A oposição venezuelana recusou esta quinta-feira a proibição de manifestações decretada pelo Governo e avisou que, em resposta, ampliará o protesto previsto para sexta-feira, passando de uma "tomada de Caracas" para uma "tomada da Venezuela".

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC